search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Show de graça com Silva e Maria Gadú em Vitória

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Show de graça com Silva e Maria Gadú em Vitória


Silva: “Fico sempre mais ansioso do que fico em outros lugares, mas é um frio na barriga bom, que me deixa emocionado” (Foto: Breno Galtier/Divulgação)
Silva: “Fico sempre mais ansioso do que fico em outros lugares, mas é um frio na barriga bom, que me deixa emocionado” (Foto: Breno Galtier/Divulgação)

Ele já colocou o seu bloco na rua, e em disco, cantou Marisa Monte e até decretou: a cor é rosa. Agora, na próxima terça-feira, Silva solta a sua voz pela igualdade. A seu lado, uma amiga, Maria Gadú. Tudo de graça, em Vitória, na Praça do Papa, às 19h.

O show do capixaba de 31 anos celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos e é promovido pela Prefeitura de Vitória através da Secretaria de Cidadania, Direitos Humanos e Trabalho.

Chamado “Vitória de Todas as Vozes: um Canto de Igualdade”, o evento, em casa, será especialmente emocionante para ele, confessa Silva ao AT2. “Fico sempre mais ansioso do que fico em outros lugares, mas é um frio na barriga bom, que me deixa emocionado. Quando junta isso tudo com um motivo nobre como esse, aí a expectativa vai lá em cima. Vai ser lindo!”, prevê.

Para Silva, essa é uma chance de “fazer as pessoas sentirem mais empatia e contribuir da minha forma para esse mundo ficar menos sombrio. Sei que isso pode parecer uma ideia hiper-romântica, mas eu diria que é algo urgente e necessário neste momento”.

A noite vai contar ainda com Monique Rocha e o projeto Samba para Moças.


Serviço

“Vitória de Todas as Vozes: um Canto pela Igualdade”

O quê: Show de Silva com participação de Maria Gadú e da artista capixaba Monique Rocha, com o projeto Samba para Moças, no Dia Internacional dos Direitos Humanos.
Quando: Terça-feira
Horário: às 19 horas
Onde: Na Praça do Papa, Enseada do Suá.
Quanto: Entrada franca.


"Vou fazer um pouco de surpresa", diz Silva

Cantor Silva (Foto: Reprodução/ Instagram @silva )
Cantor Silva (Foto: Reprodução/ Instagram @silva )
AT2 - O show chama “Vitória de Todas as Vozes: um Canto pela Igualdade”. Como a sua trajetória e os seus valores conversam com esse tema?
Silva - Fiquei extremamente feliz quando me convidaram para tocar na minha cidade, de graça e no Dia Internacional dos Direitos Humanos. Significa muito para mim.
Quando escolhi ser cantor e músico, eu não poderia prever onde eu iria chegar na minha carreira, mas sabia que se fosse para fazer isso, então que fosse para espalhar coisas boas, fazer as pessoas sentirem mais empatia e contribuir da minha forma para esse mundo ficar menos sombrio. Sei que isso pode parecer uma ideia hiper-romântica, mas eu diria que é algo urgente e necessário.

Maria Gadú foi convidada por você para uma participação especial. Por que Gadú e como será esse encontro?
Maria é minha amiga há alguns anos e desde que comecei minha carreira ela tem sido uma pessoa que me encoraja e me ensina coisas boas. Admiro muito o carinho que ela tem pelas causas que precisam de mais visibilidade e atenção. Ela talvez seja a amiga mais politicamente engajada que eu tenho e não poderia ter alguém melhor que ela para dividir o palco comigo nesse dia.

É especialmente emocionante um espetáculo que tem tudo a ver com o que você defende, em Vitória, de graça? Qual é a expectativa e por quê?
Muito mesmo! Tocar em Vitória tem sempre um lado muito especial porque tenho muitas histórias nessa cidade. Confesso que fico sempre mais ansioso do que fico em outros lugares, mas é um frio na barriga bom, que me deixa emocionado. Quando junta isso tudo com um motivo nobre como esse do dia 10, aí a expectativa vai lá em cima. Vai ser lindo!

Como foi a escolha do repertório? O que pretende cantar e por quê?
Vou fazer um pouco de surpresa aqui (risos). Mas posso adiantar que vou tocar um pouco de tudo que já lancei na carreira.

Você já anunciou o Bloco do Silva durante o verão capixaba. Tem tudo para ser uma grande festa? Como tem sido até agora essa experiência de levar tanta alegria ao público? Recebe todo esse axé de volta?
Minhas expectativas estão bem altas, principalmente depois de lançar o álbum do Bloco e receber mensagem de tanta gente agradecendo pela alegria que o show transmite. Isso me deixa muito realizado e ansioso pelos blocos do verão. Falar de amor e espalhar alegria talvez seja o maior desafio para nós em 2020. Mas a gente segue! Nos vemos na Praça do Papa.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados