search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Seus dados pessoais foram vazados. E agora, o que fazer?
Mundo Digital
Eduardo Pinheiro

Eduardo Pinheiro


Seus dados pessoais foram vazados. E agora, o que fazer?

Nas duas últimas semanas, fomos surpreendidos com duas notícias sobre vazamentos, em massa, de dados pessoais ocorridos no País. A primeira ocorreu no final de janeiro de 2021, quando foi noticiado o megavazamento de dados pessoais de 223 milhões de brasileiros.

Logo depois, na segunda semana de fevereiro, a empresa de cibersegurança PSAFE noticiou mais um grande vazamento de dados, envolvendo 102,8 milhões de celulares das duas maiores operadoras de telefonia móvel do País, sendo 57,2 milhões da operadora Vivo e 45,6 milhões da Claro.

O primeiro vazamento envolveu os dados básicos dos brasileiros, como nome, data de nascimento, endereço e CPF, além de dados referentes a score de crédito, imposto de renda, escolaridade e benefício do INSS.

Já os dados vazados das operadoras de telefonia móvel são relativos ao número do celular, valor da conta, minutos gastos por dia, nome, endereço, CPF e data de nascimento do titular da linha.

Em ambos os casos, os dados estão sendo comercializados, individualmente ou em pacotes, na Deep Web (Internet profunda), com valores a partir de US$ 1 dólar.

A princípio, está ocorrendo o comércio desses dados, mas não vai demorar muito para ocorrer o vazamento do vazamento, e esses dados pessoais passarem a ser disponibilizados, de graça, na internet.

Desta forma, o que já era ruim ficará ainda mais preocupante, pois vai estimular a indústria criminosa das fraudes online de uma forma sem precedentes.

E nós, titulares desses dados pessoais vazados, o que poderemos fazer para esses dados não serem utilizados em fraudes? A triste verdade é que podemos fazer muito pouco, no máximo conferir se já habilitaram uma linha pré-paga de telefonia móvel, criaram uma conta bancária ou um cartão de crédito com os nossos dados para a prática de golpes.

Consulte linhas telefônicas suspeitas
No endereço https://cadastropre.com.br é possível conferir se existem em seu CPF linhas telefônicas pré-pagas ativas. Esses tipos de linhas, que não geram boletos para pagamentos mensais, são as preferidas pelos criminosos para a prática de golpes.

Verifique contas bancárias em seu CPF
No endereço https://bcb.gov.br/cidadaniafinanceira/registrato é possível conferir se existem em seu CPF contas bancárias desconhecidas, que podem estar sendo utilizadas pelos estelionatários em seus crimes. É preciso fazer um breve cadastro, mas é confiável e vale a pena conferir.

Estas são duas, das poucas opções que as pessoas têm para verificar se os seus dados já estão sendo utilizados indevidamente pelos criminosos.

No entanto, o que realmente precisa ser feito é que as empresas de telefonia, instituições bancárias, operadoras de cartões de crédito e o comércio em geral, sem demora, criem mecanismos para identificar uma pessoa, que se certifiquem se, de fato, ela é quem alega ser.

Sem isso, as fraudes financeiras, no crédito e no comércio, crescerão exponencialmente.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados