search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Sertanejos defendem reviravolta no amor

Entretenimento

Entretenimento

Sertanejos defendem reviravolta no amor


"Quisemos mostrar que o mundo dá voltas", afirmou Juliano, que faz dupla com Henrique (Foto: Divulgação)
"Quisemos mostrar que o mundo dá voltas", afirmou Juliano, que faz dupla com Henrique (Foto: Divulgação)

Viver uma história de amor pode até parecer fácil. No entanto, o que acontece nos bastidores de um casal é emoção à flor da pele! Rola de tudo. Da luta para conquistar alguém até a recusa de terminar a relação. E, nesse looping do coração, vale até uma debochada de quem quebra a cara. “Volta por baixo”?

É o amor e suas reviravoltas, que são defendidas pelos irmãos Henrique, 30 anos, e Juliano, 29, que transformam essas histórias em grandes hits do sertanejo. Haja sofrência!

Para quem duvida, “Liberdade Provisória”, música de trabalho da dupla, alcançou o primeiro lugar no Spotify Brasil. Também sucesso nas rádios, a canção fala do cara implorando para voltar: “Sou preso na sua vida. Era só liberdade provisória”.

Mas o amor merece condenação perpétua? “Acho que não. As coisas mudam, as pessoas mudam, os sentimentos mudam. O amor pode ser simples, mas as pessoas são complexas. Às vezes, a gente erra e se arrepende”, explica Juliano ao AT2.

E Henrique completa: “Resiliência é uma boa definição para o amor que se adapta às mudanças, supera as adversidades e tem a capacidade de se recuperar”.

Com novo hit, “Volta por Baixo”, a dupla sertaneja fará show amanhã no Multiplace Mais, em Guarapari, com o amigo pagodeiro Dilsinho.


Henrique e Juliano, sertanejos
“A gente tem que ir atrás do que a gente quer, né?”

AT2 - Vocês voltam ao Estado em noite de sertanejo e pagode com Dilsinho. O que prepararam para o show?
Henrique - Estamos muito felizes em voltar ao Espírito Santo. Temos um carinho enorme pelos capixabas, que sempre nos recebem tão bem! Vamos levar músicas de todos os nossos trabalhos e os últimos lançamentos do DVD “Ao Vivo no Ibirapuera”, como “Briga Feia” e “Liberdade Provisória”, que já passou dos 48 milhões de visualizações no YouTube.
E, sobre o Dilsinho, é sempre muito bom encontrar com ele, somos ótimos amigos. Seria bom demais fazer essa mistura, ainda mais com alguém tão bacana como ele. Vamos ver o que vai rolar!

Henrique e Juliano com o amigo pagodeiro Dilsinho (ao centro) (Foto: AGNEWS)
Henrique e Juliano com o amigo pagodeiro Dilsinho (ao centro) (Foto: AGNEWS)

A “Liberdade Provisória” é aquele lance de “eu não terminei com você”, mas em uma nova roupagem?
Henrique - Pode ser sim. Às vezes, as pessoas acham que estão prontas para terminar, vão lá e terminam, mas, quando veem o outro bem, aí percebem que não estavam prontas, se arrependem e pedem para voltar.
Às vezes, é difícil ver que a outra pessoa está melhor do que a gente, né?! (Risos)

Quando se ama, vale implorar para voltar, mesmo quando te “matam na unha”? Qual a hora certa de parar com a investida?
Henrique - A gente tem que ir atrás do que a gente quer, né? É aquele ditado: o “não” você já tem...
Quando se erra e está arrependido, acho que vale pedir para voltar sim. Nem sempre vai dar certo. Se a outra pessoa deixou claro que não quer mais, que está melhor sem, aí é hora de jogar a toalha. No fundo, a gente sempre sabe quando não adianta mais insistir.

No Instagram, perguntam: “Quem aí já implorou pra voltar?” Vocês já fizeram isso?
Juliano - Acho que, em algum momento da vida, todo mundo já quis pedir para voltar pra alguém, senão não haveria sofrência nesse mundo. (Risos)

E quando “menos é mais”? Ou o menos é demais?
Juliano - Acho que, em muitos momentos, menos é mais. Inclusive, esse é o nome de um dos nossos trabalhos e é algo que inspira a gente: levar a vida de maneira mais simples. Isso vale para os relacionamentos também. Para que complicar se podemos simplificar?

O Carnaval está aí. Acha que amor de balada pode virar o amor da vida?
Henrique - Sem dúvida! Inclusive, muitos casais têm a nossa música como trilha sonora. Pessoas que se conheceram na balada, no Carnaval, às vezes até no nosso show, e engataram um relacionamento sério. A gente fica muito feliz de ouvir essas histórias.

Acabam de lançar mais uma aposta de sucesso: “Volta por Baixo”. É a prova de que um dia os humilhados serão exaltados?
Juliano - É um pouco disso. (Risos) A música fala daquela pessoa que se gabava que ia se dar melhor, mas o tiro saiu pela culatra. Quisemos mostrar que o mundo dá voltas!


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados