search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Será que tenho mau hálito?
Doutor João Responde

Será que tenho mau hálito?

Bom dia! Em que posso ajudá-los? Dessa maneira iniciei a consulta daquela senhora, acompanhada pelo engraçado marido. “Doutor, meu esposo anda com brincadeiras sem graça, por causa do meu hálito. Ontem, ele perguntou se eu tinha comido a meia do seu sapato, que havia sido colocada para lavar.”

“Embora eu não sinta que esteja com mau hálito, essa situação está me deixando constrangida.”

Antes de começar a consulta, achei conveniente tirar logo sua dúvida, afirmando que a pessoa com halitose é última que percebe o bafo.

“Pois é – brincou a paciente – Lembra aquela história do marido traído, que não sabe de nada, mas depois descobre que um homem sem chifres é um animal indefeso?”

Bem, na verdade qualquer odor percebido pelo nariz tem um prazo de validade. Tão logo as células olfativas identificam o cheiro, elas se dessensibilizam e os estímulos são atenuados. Por essa razão, acostumamos com os nossos odores.

Durante a consulta, abordei sobre possibilidade da existência de várias doenças que justificariam a presença da halitose.

Enquanto realizava o exame clínico, fiz inúmeras perguntas que acabaram sendo respondidas com outras perguntas, pela paciente:

“Por que o senhor está perguntando se eu fumo, bebo ou tomo ansiolíticos e antidepressivos?”
Porque eles podem produzir halitose, respondi. O álcool e o fumo irritam a língua e a mucosa da boca, enquanto certas drogas secam a cavidade oral, gerando hálito ruim.

“Por que o senhor está indagando se eu tenho diabetes ou alguma doença renal?”

Porque os rins, quando alterados, podem liberar amônia, com seu cheiro característico, através da saliva. Também percebemos os odores dos corpos cetônicos, liberados através dos pulmões, no diabético descompensado.

“Por que o senhor está questionando sobre a presença de amigdalites, otites e sinusites?”
Porque elas fabricam secreções que produzem odores fortes e incômodos.

Finalmente ela inquiriu, com bastante curiosidade, a razão pela qual eu estava interrogando-a sobre seu estado emocional.

Expliquei que pessoas ansiosas liberam adrenalina na corrente sanguínea, diminuindo o fluxo de saliva, produzindo halitose. Basta lembrar que o ser humano costuma “engolir seco” quando se vê numa situação de estresse.

Por outro lado, existe um tipo de mau hálito falso, denominado halitofobia. Nesse caso, o paciente acredita que tenha halitose, embora ninguém que conviva com ele sinta esse odor.

Imediatamente a paciente me advertiu: “Eu acredito que não deva ser esse o meu caso, pois meu marido percebe quando não estou com o hálito bom.”

Eu concordei com ela, afirmando que iria esperar os resultados laboratoriais solicitados. Também sugeri uma reavaliação do neurologista, visando à possibilidade de suspender o uso de antidepressivos e ansiolíticos.

De volta ao consultório, a paciente mostrou-se animada. Os exames deram normais, os medicamentos tranquilizantes haviam sido suspensos e o marido se derramava em sorrisos, satisfeito com o bafo da patroa.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Exclusivo
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave. Denominada …


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados