search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Segundo paciente com HIV é curado do vírus

Notícias

Publicidade | Anuncie

Ciência e Tecnologia

Segundo paciente com HIV é curado do vírus


Tratamento com células-tronco:   não há sinais de vírus nas amostras de sangue de paciente, diz pesquisa (Foto: Divulgação)
Tratamento com células-tronco: não há sinais de vírus nas amostras de sangue de paciente, diz pesquisa (Foto: Divulgação)

Um estudo publicado na revista “The Lancet HIV” sugeriu que um paciente com o vírus HIV, que foi submetido a um transplante de células-tronco, não apresenta mais sinais de infecção após o tratamento.

A pesquisa, feita por cientistas de Universidade de Cambridge, apontou que não há mais sinais do vírus nas amostras de sangue do paciente, 2 anos e meio depois que ele interrompeu o tratamento antirretroviral contra o HIV.

É o segundo caso desse tipo em todo o mundo. O primeiro ocorreu em 2011, quando o chamado “paciente de Berlim” se tornou o primeiro a reportar a cura da infecção pela doença.

“Sugerimos que nossos resultados representam uma cura do HIV”, afirmaram os autores, depois de testarem amostras de sangue, tecido e esperma.

“Testamos um número considerável de lugares onde o vírus gosta de se esconder e praticamente tudo deu negativo”, disse o professor Ravindra Gupta, um dos autores do estudo, à agência AFP.

Os pesquisadores apontaram que restos do DNA do vírus foram detectados em algumas amostras de tecido, mas que estes seriam resquícios “fósseis”, incapazes de reproduzir o vírus.

“É difícil imaginar que todos os vestígios de um vírus que infecta bilhões de células foram eliminados”, comemorou Gupta.

O procedimento usado para os dois pacientes curados é considerado arriscado, ressaltou Gupta.

“Temos que colocar na balança a taxa de mortalidade de 10% para um transplante de células-tronco. Não é um tratamento que seria oferecido amplamente a pacientes com HIV que estejam em um tratamento antirretroviral de sucesso”, lembrou o cientista.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados