search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Secretários de Saúde pedem que idosos sejam prioridade na vacinação

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Secretários de Saúde pedem que idosos sejam prioridade na vacinação


O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) enviou na segunda-feira (13) ofício ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pedindo que o governo federal priorize a aplicação da dose de reforço da vacina contra a covid-19 em idosos acima dos 60 anos e imunossuprimidos.

O documento ainda solicita que, com o atraso da AstraZeneca para a segunda dose, o Programa Nacional de Imunização (PNI) suspenda a aplicação em adolescentes sem comorbidades enquanto os grupos prioritários não forem revacinados.

A medida foi comunicada na redes sociais pelo Secretário de Estado da Saúde Nésio Fernandes, que é vice-presidente do Conass/Região Sudeste. No Twitter, o secretário disse que a ação é para salvar vidas. 

14, 2021

O ofício foi enviado aos ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na segunda-feira (13). "Reiterar o solicitado nos Ofícios CONASS Nº 346 e 356 / 2021, priorizando de imediato todos os idosos com 60 ou mais anos de idade para a dose de reforço e em especial aqueles institucionalizados (residentes em Instituições de Longa Permanência – ILPI), bem como as pessoas com comprometimento da resposta imune", diz o documento. 

O documento pede ainda que, com o atraso da AstraZeneca para a segunda dose, o Programa Nacional de Imunização (PNI), suspenda a aplicação em adolescentes sem comorbidades enquanto os grupos prioritários não forem vacinados com a D2. 

"Entendemos que o momento exige unidade nacional nos atores tripartites e que a postura adequada para o momento é de buscar caminhos seguros e concretos para a plena cobertura vacinal da população brasileira", diz o texto.

Atualmente, o Ministério da Saúde prevê a dose de reforço apenas para maiores de 70 anos.

Segundo o Conass, o pedido é motivado pelas "recentes dificuldades observadas em diversas unidades da federação de disponibilidade da vacina AstraZeneca para a realização da segunda dose" e a "persistência da notificação de casos graves na população já vacinada com 60 anos ou mais".

No ofício, assinado pelo secretário de Saúde do Maranhão e presidente do Conass, por Carlos Lula, o órgão também pede que o Ministério da Saúde autorize a administração de doses heterólogas (vacina diferente da utilizada na primeira dose) quando houver "indisponibilidade objetiva do esquema homólogo".

Desde a semana passada, alguns estados têm sofrido com o atraso na entrega de vacinas para a segunda dose. Nesta segunda-feira (13), Rio e São Paulo passaram a aplicar a Pfizer em quem estava com a segunda dose da AstraZeneca atrasada.