search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"Se for necessário, tomarei medidas mais extremas", diz Casagrande

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

"Se for necessário, tomarei medidas mais extremas", diz Casagrande


Durante o primeiro pronunciamento desde que precisou se afastar por conta do coronavírus, o governador Renato Casagrande voltou a reforçar nesta segunda-feira (1º) que pode chegar a medidas extremas na busca de aumentar o isolamento social no Estado durante a pandemia.

"Se for necessário, tomarei as medidas mais extremas. Nossa prioridade é salvar vidas", disse Casagrande. 

Assim como tinha dito em oportunidades anteriores, esse maior rigor tem a ver com o nível de ocupação de leitos de Unidade Terapia Intensiva (UTI) no Espírito Santo.

A medida seria tomada caso a ocupação chegue a 91%. Atualmente, ela é de 82,44%, informou a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

"Se chegar a 91%, vamos ter que fechar comércios e serviços. Eu não gosto da palavra lockdown, porque ela significa fechamento total, com as pessoas não podendo sair às ruas. Mas teremos que tomar medidas de restrição às atividades econômicas e sociais com mais rigor. Espero não chegar a esse ponto", ressaltou o governador.

O governador Renato Casagrande em seu primeiro pronunciamento após ser diagnosticado com coronavírus. (Foto: Reprodução/Governo do Estado)
O governador Renato Casagrande em seu primeiro pronunciamento após ser diagnosticado com coronavírus. (Foto: Reprodução/Governo do Estado)

No dia 20 de maio, Casagrande já havia falado sobre um isolamento social mais severo no Estado. Na ocasião, ele também destacou o esforço do Estado em aumentar o número de leitos para atender as pessoas infectadas pela Covid-19.

“Boa parte dos municípios terão de paralisar suas atividades. Eu não gosto da palavra lockdown, mas é um isolamento muito rigoroso. Estamos tentando não chegar a isso. Estamos ampliando muitos leitos, e estamos com a doença no nosso calcanhar”, comentou. 

Assim como no fim de maio, Casagrande, nesta segunda, novamente falou sobre a ampliação de leitos em diversas cidades do Espírito Santo, não apenas para infectados com coronavírus, mas também para outras enfermidades.

"A partir de hoje, o Hospital dos Servidores, em Vitória, está atendendo ortopedia. Abrimos 70 leitos de enfermaria e 10 de UTI", comemorou. "Estamos liberando o Hospital Jayme (Santos Neves), na Serra, para que possa atender mais pacidentes de Covid-19", pontuou. 

Leia mais: Governador confirma que mãe também está com coronavírus

Outros hospitais também tiveram ampliações de leitos, segundo o governador, como a Clínica dos Acidentados de Vitória, o Hospital Infantil de Cachoeiro de Itapemirim e a Santa Casa de Guaçuí.

Novos leitos também devem ser criados nos próximos dias em Venda Nova do Imigrante. 

Além disso, a ampliação das UTIs dos hospitais pode acontecer com a chegada de novos respiradores. "Já estão vindo da Itália mais 100 respiradores. Eles chegaram a São Paulo e estão esperando ser montados para ampliar os leitos de UTI", disse Casagrande. 

Ainda de acordo com o governador, desde o início da pandemia, o número de novos leitos de UTI chegou a 600. Mas ele alerta: "Abertura de leitos não significa que vamos salvar todas as vidas".


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados