X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Saúde

Só 52% das mulheres fazem tratamento para menopausa

Das que se tratam, só 22% fazem a terapia de reposição hormonal. Média de idade de quem entra na menopausa é de 48 anos, diz estudo



Imagem ilustrativa da imagem Só 52% das mulheres fazem tratamento para menopausa
A fotógrafa Jana Brasil, de 51 anos, comentou que, depois de sofrer com muitas cólicas relacionadas à menstruação, foi ao médico e teve o diagnostico de adenomiose (condição que o tecido endometrial cresce na parede uterina). Em exames que fez, também foi constatado que ela estava em uma pré-menopausa. Não esperando os sintomas comuns do climatério aparecerem, já foi indicada a fazer um protocolo de modulação hormonal para que tivesse melhor qualidade de vida. Há dois anos ela tem feito esse tratamento e se sente muito bem. |  Foto: Leone Iglesias/ AT

Um estudo publicado na revista científica Climateric apontou que a mulher brasileira entra na menopausa quando tem, em média, 48 anos de idade, e que 73,1% delas têm sintomas desagradáveis, como as ondas de calor, no período compreendido entre a pré-menopausa e quando finalmente param de menstruar.

Após a menopausa, esses sintomas existem em 78,4% delas.

A pesquisa ainda apontou que, mesmo com os sintomas indesejados, apenas 52% delas realizam algum tipo de tratamento para evitá-los. Das que se tratam, 22% fazem a terapia de reposição hormonal. As demais utilizam outros tipos de cuidados, como a prática de ioga, acupuntura e o uso de antidepressivos.

Georgia Maciel da Silva Brito, ginecologista e obstetra, comentou sobre possíveis motivos para essa baixa procura por tratamentos.

“Apesar de atualmente vivermos numa era digital, muitas não têm acesso à informação de qualidade e assim não conseguem buscar e encontrar o profissional”, disse.

“Muitas também entendem que, por ser um período, seria um processo obrigatório que ela tem que passar, mas não é verdade. Há tratamentos que ajudam a garantir melhor qualidade de vida”, completou a médica.

A ginecologista e especialista em menopausa Mariana Andreata explicou que, além do fogacho, que são as ondas de calor, outros sintomas comuns que aparecem são: insônia, irritabilidade, perda da libido e ressecamento vaginal.

“Geralmente, eles se iniciam no climatério, que é onde a mulher começa a ter um ovário que não tem a capacidade de produzir a quantidade de hormônio (estrogênio e progesterona) suficiente. Depois, vão exacerbando e no momento da menopausa estão muito aflorados”.

Ela disse que mesmo depois que a menopausa acontece, pela falta dos hormônios, esses sintomas podem continuar por mais de dez anos, e também há uma repercussão clínica no organismo feminino, como o aumento do risco de doenças cardiovasculares, aumento do risco de demência, de osteoporose e o aumento da gordura abdominal. Portanto, o acompanhamento médico é fundamental.

Em relação ao que fazer para tratar problemas da menopausa, o ginecologista Ronney Guimarães deu algumas opções. “Sempre sugerimos mudanças no estilo de vida com atividade física, alimentação saudável e acupuntura”, disse.

“O principal tratamento é identificar qual é o sintoma da paciente e tratar o que ela se queixa. Alguns sintomas são mais relacionados com a diminuição do estrogênio, como é caso das ondas de calor. Então, existe a terapia hormonal com estrogênio. Em outras, há a queixa de redução da libido, então fazemos a terapia hormonal prescrevendo a progesterona”, concluiu.

É válido ressaltar, segundo os médicos, que nem todas as mulheres podem fazer esse tipo de terapia hormonal.

Fique por dentro

Consulta regular com ginecologista

- O estudo

Traçou o perfil brasileiro da menopausa e foi publicada na revista científica Climateric.

Foi realizada por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Jundiaí, Faculdade de Medicina do ABC, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Pavia, na Itália.

Ao todo, os estudiosos entrevistaram 1.500 mulheres, com idades entre 45 e 65 anos para terem a base do trabalho.

- Dados

A mulher brasileira entra na menopausa quando tem, em média, 48 anos de idade.

O início da transição e a irregularidade menstrual começam aos 46 anos de idade.

73,1% das mulheres têm sintomas desagradáveis, como o fogacho (ondas de calor) no período entre a pré-menopausa e a menopausa. Após a menopausa, os sintomas afetam 78,4% das mulheres.

Somente 52% delas fazem algum tipo de tratamento, sendo que a maioria que procurou atendimento foram as de classes sociais mais altas.

Das que se tratam, apenas 22% fazem a terapia de reposição hormonal. As outras optam por terapias alternativas e o uso de antidepressivos, aponta o estudo.

Mulheres que fazem o tratamento com terapia hormonal abandonam os cuidados em pouco tempo, cerca de oito meses depois do início do tratamento. Os efeitos colaterais fazem parte dos motivos para essa desistência.

- Entenda

O período de transição do período reprodutivo para o não reprodutivo da mulher é chamado de climatério.

Esse processo tem duração variável entre as pacientes, e nele estão presentes sintomas desagradáveis por conta do declínio hormonal que ocorre no corpo feminino. Os mais comuns são fogacho (ondas de calor), insônia, irritabilidade, perda da libido e ressecamento vaginal.

Os sintomas surgem no climatério e duram até mesmo 10 anos depois que mulher entrou em menopausa, que é o nome dado à última menstruação, marcando o fim da fase reprodutiva da vida da mulher.

Ela é confirmada com a ausência de menstruações por um período de 12 meses consecutivos.

Além dos sintomas comuns, é válido reforçar que, por conta da queda dos hormônios estrogênio e progesterona, a mulher tem maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, aumento do risco de demência, de osteoporose e da gordura abdominal. A consulta regular com um médico ginecologista, portanto, é fundamental.

Segundo a ginecologista e especialista em menopausa Mariana Andreata, a mulher tem entrado na menopausa de forma mais precoce e isso é atribuído ao estilo de vida que ela tem: com muito estresse, alimentação industrializada, sedentarismo e obesidade.

- Sintomas e tratamento

Um tratamento recomendado para levar mais qualidade de vida à paciente é a terapia de reposição hormonal. No entanto, nem todas podem fazê-la.

As contraindicações dessa ação são voltadas para: história pessoal de câncer ginecológico ou alguns câncer hormônio dependentes; história de familiar de primeiro grau com câncer de mama ou ovário com fator genético; história de trombose; tabagismo; doenças graves no fígado; etc.

Quem não pode fazer o tratamento com hormônio, é importante seguir com mudanças de estilo de vida e medidas comportamentais associadas à alimentação saudável.

Fonte: Médicas consultadas e pesquisa AT.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: