X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Professor faz apelo por doação de fígado

Desde que entrou para a fila do transplante de fígado, Heleno da Silva tenta conscientizar as pessoas sobre o tema

Eduardo Maia, do Jornal A Tribuna | 29/07/2022 14:56 h

Professor de 33 anos que espera fígado na fila do transplante faz apelo por doações
Professor de 33 anos que espera fígado na fila do transplante faz apelo por doações |  Foto: Kadidja Fernandes/AT
 

Atualmente, a fila de pacientes que precisam de transplante de algum órgão no Espírito Santo é de 1.895 pessoas. O professor da área de Direito Heleno Florindo da Silva, 33 anos, faz parte desse dado e tem feito um apelo para que as pessoas se conscientizem a respeito da doação de órgãos. 

Ele sofreu uma trombose no principal sistema de irrigação de sangue do fígado. Isso fez com que, com o passar do tempo, a doença se transformasse em cirrose. 

“Apesar de ser considerado cirrose, o problema não é devido à bebida, medicamento ou nada disso. Foi o problema de funcionamento mecânico do órgão”, explicou.

Heleno descobriu a necessidade de realizar um transplante de fígado após notar sintomas diferentes no corpo. 

Os principais foram o embranquecimento das fezes e a transformação do tom da pele na cor amarela. 

O professor está na fila do transplante há cerca de 20 dias. De acordo com ele, desde que descobriu que precisava de um novo órgão, tem conversado com muitas pessoas sobre a importância da doação.

“Gostaria que as pessoas tivessem consciência da situação e pudessem ajudar os que precisam. A oferta de órgãos diminuiu em tempos de pandemia. Quando o assunto é espalhado, mais pessoas ficam sabendo e a oferta costuma aumentar”, explicou.

Segundo o coordenador interino da Central Estadual de Transplantes, Leonardo Del-Fini Santiago, a maior importância da doação de órgãos é retirar o paciente necessitado da fila de espera. 

“Muitas vezes o paciente precisa  de rapidez, já que a qualidade de vida dele pode estar prejudicada”, comentou.

Ainda de acordo com Leonardo, é fácil se tornar um doador de órgãos. 

“A pessoa interessada só precisa conversar sobre o assunto em casa. Informar à família. Geralmente, os familiares não conhecem o desejo do doador”, explicou.

“Doação é ato de empatia”

- A TRIBUNA: Qual o problema em seu fígado?

- Heleno Florindo da Silva: Só descobri meu estado quando minha pele começou a ficar amarelada e as fezes esbranquiçadas. Desenvolvi  cirrose por uma falha no funcionamento do fígado. 

- O que precisou fazer a partir disso?

Adequar a alimentação. Excluir o máximo de gordura possível da rotina, já que a bile não está funcionando direito, e ela que faz a digestão da gordura do organismo.

- Quais são seus sintomas?

Como a bilirrubina, que deveria ser eliminada do corpo pela urina, permanece no organismo, minha pele fica amarela. A substância vai para a minha pele e coça 24 horas por dia. 

- Acha que tem chance de conseguir o novo fígado rapidamente?

Espero que sim. Entrei na fila há pouco tempo, mas preciso muito. A doação é um ato de humanidade e extrema empatia. Proporciona alegria e saúde às pessoas. Nunca poderei agradecer à família do doador o bastante.

-  Algum recado para as pessoas que têm dúvidas?

Gostaria de lembrar que um pedaço de quem você ama pode salvar outra pessoa. É a solidariedade mais bonita que pode existir.

Rim lidera fila de espera

Profissional transporta órgão
Profissional transporta órgão |  Foto: Divulgação
 

No Estado, são realizados transplantes de rim, fígado, coração e córnea. Neste momento, o rim aparece como órgão que possui a maior fila de espera, com 1.213 pacientes. 

A tabela segue com 653 pessoas precisando de córnea, 21 de fígado e oito aguardando   coração.

Em tempos que a pandemia esteve no auge da contaminação,  em 2020, o Espírito Santo chegou a registrar 273 transplantes, número considerado baixo por especialistas.

Já em 2021, segundo a Secretaria de Estado da Saúde, foram alcançados melhores resultados. O ano passado encerrou com 450 transplantes realizados em terras capixabas. O número para 2022 é promissor. 

Somente no primeiro semestre, já foram registradas 200 doações. O número é quase igual ao alcançado em todo o ano de 2020. 


Saiba mais

Como posso ser doador?

O transplante só é possível pela autorização dos familiares. É fundamental que o doador informe à família, ainda em vida, do desejo de doar.

Tipos de doadores

Doador vivo: Pessoas saudáveis podem doar um  rim, parte do fígado, medula óssea e parte do pulmão.

Doador com morte encefálica: Pacientes em UTI com morte declarada.

Órgãos e tecidos

Podem ser doados coração, pulmão, fígado, pâncreas, rim, córnea, ossos, músculos e pele.

Quem controla?

O diagnóstico é regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina.

Fonte: Secretaria de Estado da Saúde.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS