X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Saúde

Anvisa mantém recomendação atual de consumo de aspartame no Brasil

Na última quinta-feira (13), um órgão vinculado à OMS incluiu o produto em uma classificação de produtos "possivelmente cancerígenos"


Imagem ilustrativa da imagem Anvisa mantém recomendação atual de consumo de aspartame no Brasil
Classificação da OMS acendeu o alerta na agências de regulação |  Foto: Reprodução/Canva

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) manteve a recomendação relacionada ao adoçante aspartame, cujo limite de ingestão diária é de 40 miligramas por quilo de peso. Em nota publicada nesta sexta-feira, 14, a agência afirma que acompanhará a Organização Mundial de Saúde (OMS) em relação ao tema.

Na última quinta-feira, 13, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc), órgão vinculado à OMS, incluiu o produto em uma classificação de produtos "possivelmente cancerígenos". Em paralelo, o Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares (JECFA) da Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que atuou em parceria com a OMS, não viu motivos para alterar recomendações em relação à dosagem.

Leia também:

Adoçante aspartame é considerado possivelmente cancerígeno pela OMS

"Depois de revisar a literatura científica disponível, ambas as avaliações observaram limitações nas evidências disponíveis em relação ao câncer e também a outros efeitos na saúde", diz a nota da Anvisa.

Mesmo assim, a classificação acendeu o alerta na agências de regulação. Embora mantenha a recomendação atual, a Anvisa afirma que discutirá ferramentas para aumentar a fiscalização relacionada ao produto.

"Até o momento, não há alteração do perfil de segurança para o consumo do aspartame, de modo que a Anvisa seguirá acompanhando atentamente os avanços da ciência a respeito do tema. Além disso, é importante ter em conta que não há novas recomendações aprovadas pela OMS", diz a Anvisa.

Mudanças nas embalagens

"Nesse contexto, já estão em discussão na Agência alternativas para melhorar as regras para a declaração dos edulcorantes e de outros aditivos alimentares na lista de ingredientes, bem como os requisitos de legibilidade, que irão permitir que o consumidor identifique com mais facilidade a presença dessas substâncias nos alimentos."

O aspartame tem o poder de adoçar 200 vezes maior do que o açúcar tradicional, e é encontrado sobretudo em produtos como bebidas artificiais (néctares, refrigerantes), geleias, gelatinas, molhos, sorvetes, chicletes, barrinhas de cereal, etc

Na lista de agentes possivelmente cancerígenos há outros 322 itens, entre eles extrato de aloe vera, atividade de carpintaria e marcenaria, escapamento de motor a gasolina e extrato de ginkgo biloba.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: