X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Ajuda de médicos para identificar problemas de fala e audição

Em evento gratuito em Vila Velha, na quinta, médicos vão orientar professores a detectar as condições auditivas e de fala das crianças

Jonathas Gomes, do jornal A Tribuna | 01/08/2022 14:20 h

Quanto mais cedo diagnosticada as alterações, é possível intervenção precoce com a fonoaudiologia e otorrinolaringologia, além de suporte psico-pedagógico, como uso de próteses auditivas e cirurgia
Quanto mais cedo diagnosticada as alterações, é possível intervenção precoce com a fonoaudiologia e otorrinolaringologia, além de suporte psico-pedagógico, como uso de próteses auditivas e cirurgia |  Foto: Pixabay
 

Os professores convivem com crianças com diversas condições de saúde e, em alguns casos, são os primeiros a identificar sinais de alerta para alguns problemas. Com intuito de auxiliar neste tipo de capacitação, um evento gratuito irá orientar professores a identificar problemas de audição e fala. 

A formação é voltada a professores, coordenadores e supervisores pedagógicos da rede pública e da rede privada, e acontece na próxima quinta-feira, no Cineteatro da Universidade Vila Velha (UVV). As inscrições estão abertas no site https://forms.gle/PMsHdr6atZQwwrU8A e vão até quinta (dia 4).

A Caravana Científico-Social, como é chamada, é promovida pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (Aborl-CCF) e habilita os profissionais na detecção precoce das condições de saúde relacionadas à fala e à audição. 

A coordenadora do internato do curso de Medicina da UVV, Adriana Esteves Rabello, estará à frente da palestra “A criança que tem otite de repetição”. 

Adriana Esteves Rabello  fará uma palestra sobre otite de repetição
Adriana Esteves Rabello fará uma palestra sobre otite de repetição |  Foto: Douglas Schineider/AT
 

“Quanto mais cedo diagnosticada as alterações, é possível intervenção precoce com a fonoaudiologia e otorrinolaringologia, além de suporte psico-pedagógico, como uso de próteses auditivas e cirurgia”, afirma Adriana Rabello.

O coordenador de pesquisa e extensão de Medicina da UVV e médico otorrinolaringologista, Wander Lopes Amorim, explica que o projeto é fundamental para aproximar os professores do olhar para a saúde das crianças.  “O objetivo é capacitar os professores e cooperar para o desenvolvimento e qualidade de vida da população”.

A professora de Educação Física Juliana Coutinho se inscreveu no evento para ficar ainda mais atenta aos seus alunos, principalmente após notar condições de fala do filho Lorenzo, de 3 anos, e descobrir que ele precisará de uma cirurgia.

“Nós, professores, temos contato direto com os alunos e podemos observar sinais de alerta e alertar as famílias. Essa capacitação irá agregar muito conhecimento”.

SAIBA MAIS 

Sinais de alerta

O olhar atento  para o cotidiano da criança em casa já pode acusar sinais de alerta para otites de repetição e outras patologias que afetam a fala e causam  déficit auditivo. 

Uma criança  que aumenta muito o volume da TV ou fala muito alto, por exemplo, pode ter alterações na audição. Crianças que perguntam muito “o que?” durante uma conversa, também indicam a possibilidade de problemas de audição. 

sonolência e desatenção, a depender da intensidade, são outros sintomas para tais alterações. 

O desempenho escolar está ligado às alterações de fala e audição. A dificuldade de comunicação oral, como erros em fonemas, é um sinal. 

A apresentação  dos sintomas já indica a necessidade de pelo menos uma consulta com um médico otorrinolaringologista.

Fonte: Especialistas consultados

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS