search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Rossini Macedo, o Tonho dos Couros: “Pedia a Deus para conseguir respirar”

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Rossini Macedo, o Tonho dos Couros: “Pedia a Deus para conseguir respirar”


Humorista Tonho dos Couros venceu o coronavírus e disse que o tempo que ficou no hospital foi uma grande lição. Ele atribuiu a Deus e às orações a sua cura (Foto: Acervo Pessoal)
Humorista Tonho dos Couros venceu o coronavírus e disse que o tempo que ficou no hospital foi uma grande lição. Ele atribuiu a Deus e às orações a sua cura (Foto: Acervo Pessoal)
Famoso por interpretar o personagem Tonho dos Couros, o humorista Rossini Macedo, 54 anos, conseguiu vencer a luta contra a Covid-19, após passar sete dias internado em um hospital particular de Vitória, sendo cinco deles na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Ainda com dificuldade de respirar, contou que, enquanto estava internado, a única coisa que pedia durante suas orações era para que conseguisse respirar.

“Eu conversava muito com Deus e pedia para ter a oportunidade de sair daquele quarto e de conseguir respirar melhor”, conta o humorista.

Durante a batalha contra a doença, o humorista garante que não perdeu a fé, aliás, é o que ele afirma que salvou a sua vida. Rossini recebeu alta na tarde de ontem e foi recebido com muita alegria pelos familiares.


ENTREVISTA | Rossini Macedo, humorista


A Tribuna – Quando começou a sentir os sintomas?
Rossini Macedo – Eu comecei dia 26 de julho, sentindo febre, dor no corpo, falta de ar. Depois, comecei a tossir bastante.

Procurou médico no mesmo dia?
No dia seguinte, eu fui ao médico, em um hospital particular de Vitória. O médico me medicou e pediu que aguardasse quatro dias para fazer o teste, para que não desse falso negativo.

Você aguardou esse período?
Eu fui à minha médica particular. Ela me orientou a fazer o mesmo que o outro médico havia dito, e eu fiz o exame com cerca de quatro dias depois. Voltei para casa, mas depois de sete dias, eu piorei, com os sintomas com a falta de ar e febre e precisei de ir novamente para o hospital.

Quando voltou para o hospital já ficou internado?
Sim. Já me mandaram internar. Fiquei dois dias na enfermaria, mas fui piorando o meu quadro clínico e precisei ir para a UTI, onde tive de ficar por mais cinco dias. Não precisei ficar entubado, mas usei um tipo de máscara que ajuda a respirar melhor.

O que passava pela sua cabeça nesse período que ficou na UTI?
Eu só pensava em sair dali. Eu só queria respirar. Eu pedia a Deus para conseguir respirar, pensava muito nas pessoas que gostavam do meu trabalho, que queria ter a oportunidade de voltar a fazer essas pessoas a darem risadas e, principalmente, pensava na minha família.

O que pode ter te salvado?
Deus, minha fé. Eu conversava muito com Deus e pedia para que Ele me desse força e que eu conseguisse superar aquele momento.

Alguém mais da sua família se contaminou?
Somos em quatro pessoas na minha casa. Só o meu filho mais novo que não pegou. Eu e meu outro filho pegamos simultaneamente, só que eu fiquei mais grave.

Como está o seu filho?
Está bem. Está todo mundo bem. Graças a Deus, ninguém precisou ficar internado. Só eu mesmo.

Como acredita que possa ter sido infectado pelo vírus?
Sinceramente, eu não sei. Sempre andei de máscara, saía de casa só para fazer o essencial. Meu escritório está fechado. Tinha todos os cuidados possíveis, mas infelizmente, acabei contraindo.

O que leva dessa experiência?
Que foi uma missão, eu tinha que ter passado por aquilo. Tudo de ruim que acontece na vida da gente tem uma explicação. Eu já enfrentei uma hepatite C e fiz um ano de tratamento com quimioterapia e achei que já tinha superado tudo nessa vida, mas aí vem essa doença e me prova que não. A Covid-19 foi muito pior do que a hepatite.

Pensa em criar algo específico que possa ajudar pessoas que ou parentes que perderam familiares com a doença?
Sim. O meu trabalho em si é esse, mas eu quero fazer algo específico direcionado para essas pessoas. Ainda não sei o que, mas assim que eu estiver 100% recuperado, vou fazer. Estou disposto a compartilhar essa experiência que tive com outras pessoas que estiverem passando pelo que eu passei.

Quer deixar alguma mensagem para as pessoas que estão sofrendo com essa doença?
Eu gostaria, primeiro, de agradecer as orações que recebi de várias pessoas.

Segundo, dizer para quem está lutando contra essa doença que não desanime e que tenha muita fé em Deus.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados