search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Risco à saúde com dietas “milagrosas” da internet

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Risco à saúde com dietas “milagrosas” da internet


Mariana Guerra explicou que o óleo de coco tem muita gordura saturada, que aumenta o risco cardiovascular (Foto: Dayana Souza/AT)Mariana Guerra explicou que o óleo de coco tem muita gordura saturada, que aumenta o risco cardiovascular (Foto: Dayana Souza/AT)

Quando o assunto é emagrecimento, não existe milagre. Chás, sementes e óleos, apesar de vendidos como naturais, não promovem sozinhos perda de peso saudável e ainda podem trazer efeitos colaterais.

Entre os riscos das dietas “milagrosas” da internet, estão intoxicações hepática e renal, alterações cardiovasculares, infarto, arritmia cardíaca e até mesmo câncer.

A fim de chamar a atenção para o problema, a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) tem feito campanha pelo site e redes sociais para apontar os riscos.

“Abordagens com promessas de solução rápida, como uso de gordura de coco, chás fitoterápicos, programas 'milagrosos' de emagrecimento; medicamentos ou suplementos na linha 'seca-barriga' são propostas ineficazes e a maioria delas pode trazer risco à saúde”, alerta a Abeso, em nota.

Segundo a endocrinologista Mariana Guerra, uma preocupação é que esses produtos “naturais” contenham substâncias proibidas ou que devam ser utilizadas somente sob prescrição médica.

Como esses alimentos vendidos como naturais não têm avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, há o risco, ainda, de não serem naturais. “Uma substância natural não traz perda de peso expressiva, como se divulga”, disse.

Os especialistas alertam também sobre o uso de óleo de coco na alimentação para perda de peso, já que não há evidência de que leve ao emagrecimento. “Ele pode, inclusive, trazer prejuízos, porque tem ácido graxo, isto é, muita gordura saturada, que é inflamatória, e leva ao aumento do risco cardiovascular”, explicou Mariana.

Enquanto a fórmula mágica não chega, a busca pelo emagrecimento deve ser feita por meio de alimentação equilibrada e atividade física, garantem os especialistas.

A obesidade é uma doença crônica, com prevalência crescente no Brasil e no mundo. “Pessoas obesas que fazem essas dietas passam a ter o risco ainda maior, porque vão se desnutrindo, e isso piora ainda mais a resposta imunológica”, pontuou o nutrólogo Roger Bongestab.

Segundo a nutróloga Sandra Lúcia Fernandes, a perda de peso saudável não ocorre de forma rápida e requer mudanças de hábitos. “Temos de mostrar que o emagrecimento não é apenas pelo plano alimentar, mas pela mudança de qualidade de vida, como parar de fumar e reduzir o álcool”.


SAIBA MAIS


Chance até de desnutrição

Principais erros de quem quer emagrecer

  • Querer perder peso rapidamente. O emagrecimento saudável é lento e requer mudança de hábitos.

  • Buscar por dietas “milagrosas” na internet. Não há ainda chá ou óleo natural que gere de forma rápida perda de peso saudável.

  • Achar que a dieta que serviu para um conhecido também serve para ele. Os planos alimentares são individuais e adequados conforme cada metabolismo. Assim, nem toda dieta

Riscos das dietas “milagrosas”

  • Desnutrição, no caso de dietas que não são equilibradas e são extremamente restritivas.

  • Desidratação, devido ao consumo de substâncias diuréticas (que aumentam o volume de urina). Elas podem até gerar perda de peso, mas não de forma saudável – o que ocorre é a perda de água, e não de gordura, como é no emagrecimento.

  • dependendo das substâncias que apresentam, podem gerar diferentes riscos, como intoxicações hepática e renal; alterações cardiovasculares, que podem levar a mudanças na pressão e até paradas cardíacas; hipertensão; perda de potássio, o que pode gerar arritmia cardíaca; algumas podem, inclusive,  favorecer o surgimento de câncer no intestino.

Fonte: Especialistas consultados.
 
Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.