search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Retorno das atividades deve ser gradual para evitar segunda onda da Covid-19

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Retorno das atividades deve ser gradual para evitar segunda onda da Covid-19


Embora exista a tendência de estabilização da Covid-19, o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, chama a atenção para a importância de manter os cuidados para que não ocorra uma segunda onda da doença.

“As pessoas que tiverem protegidas com o distanciamento social neste momento, elas não devem sair dessa medida de proteção. Na medida que aqueles que estão protegidos com o distanciamento social se exporem a circulação pública, eles poderão se submeter ao risco de contrair a doença”.

Por isso, de acordo com o secretário, quando se confirmar a estabilização dos casos, o retorno das atividades precisa ser gradual.

“Esse retorno não pode ser abrupto. Se ele for abrupto, a população que está protegida passa a se expor e nós podemos ter uma segunda onda com um aumento do número de casos, em especial na população idosa e na população que tem comorbidades e ficou protegida ao longo do período”.

Nésio observou que outras cidades já enfrentaram a segunda onda, o que é muito perigoso. Ele diz que é preciso preservar vidas.

“Ainda não temos vacina e nem tratamento específico para a doença. Então, o distanciamento social, associado ao isolamento dos pacientes sintomáticos, são as duas estratégias principais para poder romper a cadeia de transmissão e impedir que a doença ressurja como uma nova onda”.

O secretário aproveitou para reiterar a posição do governo do Estado sobre uso da cloroquina/hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19 de que não há evidências científicas que recomende o uso da hidroxicloroquina em fase inicial da doença, principalmente em atividade ambulatorial.

“A posição do governo do Estado é orientada pelas melhores práticas baseadas em evidências científicas, nos consensos de Sociedades Médicas Brasileiras, nas opiniões dos principais especialistas do mundo no assunto”.

Contudo, ele salientou que o governo não proíbe o uso. “Os municípios que quiserem adotar a hidroxicloroquina, assim podem fazer”.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados