search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Relato sobre minha vacinação
Doutor João Responde

Relato sobre minha vacinação

A expectativa de ser vacinado contra a Covid-19 mexeu com meu sono. Assim que amanheceu, corri para o consultório visando adiantar o atendimento aos meus pacientes, já que o horário agendado para o evento no posto médico seria às 11 horas.

Assim que aquela agulha foi introduzida em meu braço, uma emoção tomou conta do meu corpo, misturando gratidão com satisfação, chamando a atenção da jovem Carla Silva, sorridente enfermeira que me vacinou.

Distanciamento social, máscara, viseira e álcool gel conseguiram me manter distante do agressivo patógeno, mas não lograram afastar minha inquietude e meu temor. Ao longo desses angustiantes meses, perdi vários amigos e pacientes, tombados pela pandemia.

Em dado momento, interrompi a torrente de pensamentos para, diante da TV Tribuna, oferecer algumas orientações para aqueles que também serão vacinados.

Avisei sobre o fato de que não adianta ser vacinado e sair por aí, abandonando o distanciamento social, desprezando o uso de máscara e negligenciando a aplicação do álcool gel. Após a vacinação, o sistema imunológico leva, no mínimo, três semanas para fabricar anticorpos e gerar imunidade. Assim sendo, o indivíduo que não se proteger, corre o risco de contrair vírus, mesmo estando vacinado.

Aproveitei também para informar que, embora a eficácia de certas vacinas não alcancem níveis elevados, elas diminuem a carga viral, tirando o ímpeto da infecção, produzindo quadros mais leves da doença.

Algumas pessoas temem as consequências que a vacina pode gerar no organismo. É bom lembrar que a presença dos efeitos colaterais aponta para sua eficácia, uma vez que eles indicam que o sistema imunológico está reagindo à vacinação. Vacinas e drogas são usadas com uma finalidade, mas não existe seletividade em suas ações. Citamos, por exemplo, o uso de um antibiótico. A finalidade desse fármaco é destruir um micróbio específico. Todavia, ele também erradica bactérias benéficas que fazem parte da flora intestinal, embora isso não tire o mérito de seu uso.

É comum o aparecimento de algumas reações após a vacinação. Vermelhidão, dor e prurido no local da injeção são manifestações comuns. Cansaço, febre, cefaleia, garganta irritada e coriza também não são incomuns nos primeiros três dias após a vacinação. Estes sinais e sintomas são geralmente suaves e diminuem após alguns dias. A presença dessas ocorrências demonstra que a vacina é eficaz.

Diante da vacinação, como se comportou meu organismo?

Terminado o procedimento, o local mostrou-se levemente dolorido. Posteriormente, surgiu uma moderada cefaleia, acompanhada de discreta astenia. Durante a noite, o sono manteve-se normal e reparador. No dia seguinte, todos esses pequenos desconfortos haviam desaparecido completamente.

“Não existe esperança sem medo, nem medo sem esperança”.

Eis a vacina, essa líquida promessa que viaja pelo corpo, essa dádiva que a coragem empresta a vida.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Não existe vida sem proteína

O principal alimento do corpo é a proteína. Além dos animais, isso acontece também com as plantas. Adubação com nitrogênio, potássio e fósforo vem garantindo que “Araketu”, o pé de araçaúna que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A memória eterniza o tempo

O passado é o presente que sobreviveu na memória humana. O cérebro executa atividades para adquirir, armazenar, reter e recuperar informações. A memória é parte integrante da cognição humana, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vacina contra o vício da cocaína

Estamos vivendo de uma perversa “pandemia” de drogas, em que milhares de pessoas abandonam esperanças e se agarram em ilusões. Um dos mais perigosos “patógenos”, destruidor de mentes e de corpos, é a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tipos de imunização

Nosso organismo é sistematicamente bombardeado por substâncias estranhas. Alguns desses antígenos são capazes de desencadear resposta imune, ou seja, a produção de anticorpos que defenderão o corpo …


Exclusivo
Doutor João Responde

Regulação da glicose no sangue

A regulação da glicose no sangue depende basicamente de dois hormônios: glucagon e insulina. A ação do glucagon é estimular a produção de glicose pelo fígado, e a da insulina é bloquear essa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Atitudes contra a sobrevivência

Mesmo neste momento dramático da pandemia, com recorde de casos e de mortes diárias e num estágio em que quase todo mundo conhece alguém que morreu por causa da doença, proliferam comportamentos que …


Exclusivo
Doutor João Responde

A tortura da coluna travada

Estima-se que uma expressiva quantidade de pessoas tenha ao menos um episódio de dor na coluna, ao longo da vida. Em alguns casos, ela surge de forma tão intensa que deixa o indivíduo impossibilitado …


Exclusivo
Doutor João Responde

Perda de olfato

Anosmia é uma condição que corresponde à perda total ou parcial do olfato. Essa alteração pode estar relacionada com situações temporárias, como acontece durante uma gripe ou resfriado. Pode …


Exclusivo
Doutor João Responde

Efeito rebote de medicamento

Do mesmo jeito que uma bola volta a saltar quando a jogamos, os sintomas de uma doença podem reaparecer quando cessa o efeito daquilo que inicialmente a aliviou. Essa reversão da resposta, após a …


Exclusivo
Doutor João Responde

A sede lembra o valor da água

O ser humano não vive sem oxigênio, água ou alimento. Quando um destes falta ou escasseia, sua sobrevivência fica seriamente ameaçada. Nosso organismo não consegue ultrapassar quatro minutos sem …