search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Raízes capixabas de Ayrton Senna
Tribuna Livre

Raízes capixabas de Ayrton Senna

Ayrton Senna (Foto: Arquivo AT)
Ayrton Senna (Foto: Arquivo AT)
Ayrton Senna da Silva marcou nossas manhãs de domingo e fazia-nos sentir mais brasileiros, numa época de muito descrédito com o país, por sua ousadia, destreza e espírito de campeão. Tornou-se ídolo e é considerado até hoje como o melhor piloto automobilístico do mundo. É também citado como o maior esportista brasileiro do século XX. Seus feitos foram enormes, pela vida e pelo esporte ao qual se dedicou.

Mas os capixabas têm agora outro motivo para se orgulhar do tricampeão: seus bisavós, Luigi Sena e Giovanna Magro, imigraram para o Espírito Santo, aqui se casaram e tiveram um filho.

Luigi chegou em Vitória aos 23 anos, a bordo do navio Rio de Janeiro, em 20 de março de 1893. Veio só, desacompanhado da família. Giovanna tinha 18 anos quando aqui desembarcou, em 6 de dezembro de 1894, no vapor Matteo Bruzzo, acompanhando seus país, um irmão e duas irmãs. Governava o Estado, nessa época, José Carvalho de Melo Moniz Freire, um grande incentivador da imigração italiana.

Ambos fizeram quarentena na hospedaria de Pedra d’Água, em datas diferentes, porém, antes de seguir para Cachoeiro de Itapemirim, para depois se dirigirem ao interior de Castelo, nas divisas com Muniz Freire e Conceição do Castelo, onde se conheceram e se casaram.

Certamente, foi por meio do contato com parentes, que já moravam nessa região, que Luigi imigrou para o Espírito Santo: Angelo Raffaele di Sena, o patriarca, tinha propriedade em Vieira Machado, com o filho Felício; Nicolò, em Morro Vênus e Estêvão, em Desengano. É provável que Luigi tenha sido hóspede na casa deste último pois também residiam em Desengano os imigrantes bolonheses, Raffaele Campagna e Cristoforo Guizzardi, que foram convidados a testemunhar a união civil do casal italiano.

Provavelmente a família da noiva tenha sido contratada por algum fazendeiro, ex-escravocrata, dessa mesma região, para trabalhar como agricultores. Na época, a bacia do Itapemirim concentrava as maiores lavouras de café e, por conseguinte, era o maior polo econômico do Estado.

O enlace ocorreu na Estação do Castello, em 13 de dezembro de 1896, talvez por serem devotos de Santa Luzia. Luigi tinha 27 e ela 21 anos de idade.

Tanto Luigi quanto Giovanna eram oriundos do sul da Itália: ele de Scisciano (pronuncia-se xi-chá-no), nos arredores de Nápoles e ela de Siculiana, em Agrigento, na Sicília.

Os Senna já radicados no Espírito Santo eram oriundos de Tortorella, na província de Salerno, ao sul de Nápoles. Eram, portanto, da mesma região: a Campânia. Vale citar que a maioria dos italianos imigrados para o Espírito Santo, desde 1874, era proveniente do Norte (92%), outros 6% eram do Centro e apenas 2% da Itália do sul, conforme dados do Projeto Imigrantes Espírito Santo, do Arquivo Público.

Ainda em terras capixabas nasceu Antonio, o primogênito, antes do casal se retirar para São Paulo, onde teve outros filhos, dentre os quais João, em 1906, pai de Nayde, a mãe de Ayrton. Por linha paterna ele era ‘brasileiríssimo da Silva’. Estes e outros dados genealógicos, em maiores detalhes, foram publicados, com exclusividade, pela Revista Insieme (www.insieme.com.br) também online, na edição deste mês.

Senna faleceu em 1º de maio de 1994, em um trágico acidente no autódromo de Imola (Bolonha), 570 quilômetros ao norte de Scisciano, origem do seu bisavô.

Cilmar Franceschetto é diretor Geral do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Existir em dose dupla e viver pela metade

O sol deste verão fulmina as sombras que restavam acerca da vida dupla que o existir contemporâneo demanda de imenso e crescente contingente de viventes. E não se trata de jogar luz em segredos, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Comarca de Santa Leopoldina pode ser riscada da história

Não questiono a boa intenção e a visão de economia e otimização dos serviços judiciários que devem ter norteado o Tribunal de Justiça do Espírito Santo ao propor o Projeto de Lei Complementar …


Exclusivo
Tribuna Livre

Escolha de especialistas ocorre com ou sem meritocracia?

Quando uma pessoa é considerada um especialista? Quantas pós-graduações tem de cursar? Precisa de quantos anos de experiência? Para respondermos a essas indagações, vamos narrar uma história ocorrida …


Exclusivo
Tribuna Livre

Em ano de eleição, as propostas para os novos prefeitos

Com as eleições municipais já batendo à porta, é bom o eleitor ter atenção com as propostas dos candidatos, se serão expostas com verdade e passíveis de realização. Até porque, para um gestor …


Exclusivo
Tribuna Livre

Você está satisfeito com a mobilidade em sua cidade?

O trânsito agarrado é uma coisa que incomoda. Passando o período de férias voltaremos à nossa rotina de congestionamentos. As cidades formam um arranjo socioespacial destinado a várias dimensões do …


Exclusivo
Tribuna Livre

Organizações religiosas e os benefícios da lei do Terceiro Setor

As igrejas católicas, evangélicas e toda organização religiosa têm, para além do trabalho em seus templos, uma grande importância em suas regiões de atuação por conta de trabalhos sociais de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Código de Defesa do Consumidor e a ausência de informações

O Código de Defesa do Consumidor (CDC), concretizado pela Lei nº 8.078/1990, é uma ferramenta eficaz para que o consumidor reclame os seus direitos. Isso porque, por definição, só reclama aquele …


Exclusivo
Tribuna Livre

Derrota do combate à corrupção

Matéria do jornal A Tribuna do último domingo apresentou um dado desanimador. Mais de 400 projetos de lei que pretendem combater de alguma forma a corrupção estão parados. De acordo com a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Meditação é de graça e fácil

Li outro dia uma coisa engraçada sobre a meditação, mas que traduz uma grande verdade: “Se correr o bicho pega; se ficar o bicho come; se meditar o bicho some”. Sim, o bicho some completamente …


Exclusivo
Tribuna Livre

O uso da geointeligência no combate ao crime

Nas últimas décadas, a humanidade vivencia grandes invenções tecnológicas. Sua constante necessidade de compreender e ocupar o meio em que vive a obriga ter novos conhecimentos a sua disposição. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados