search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Raízes capixabas de Ayrton Senna
Tribuna Livre

Raízes capixabas de Ayrton Senna

Ayrton Senna (Foto: Arquivo AT)
Ayrton Senna (Foto: Arquivo AT)
Ayrton Senna da Silva marcou nossas manhãs de domingo e fazia-nos sentir mais brasileiros, numa época de muito descrédito com o país, por sua ousadia, destreza e espírito de campeão. Tornou-se ídolo e é considerado até hoje como o melhor piloto automobilístico do mundo. É também citado como o maior esportista brasileiro do século XX. Seus feitos foram enormes, pela vida e pelo esporte ao qual se dedicou.

Mas os capixabas têm agora outro motivo para se orgulhar do tricampeão: seus bisavós, Luigi Sena e Giovanna Magro, imigraram para o Espírito Santo, aqui se casaram e tiveram um filho.

Luigi chegou em Vitória aos 23 anos, a bordo do navio Rio de Janeiro, em 20 de março de 1893. Veio só, desacompanhado da família. Giovanna tinha 18 anos quando aqui desembarcou, em 6 de dezembro de 1894, no vapor Matteo Bruzzo, acompanhando seus país, um irmão e duas irmãs. Governava o Estado, nessa época, José Carvalho de Melo Moniz Freire, um grande incentivador da imigração italiana.

Ambos fizeram quarentena na hospedaria de Pedra d’Água, em datas diferentes, porém, antes de seguir para Cachoeiro de Itapemirim, para depois se dirigirem ao interior de Castelo, nas divisas com Muniz Freire e Conceição do Castelo, onde se conheceram e se casaram.

Certamente, foi por meio do contato com parentes, que já moravam nessa região, que Luigi imigrou para o Espírito Santo: Angelo Raffaele di Sena, o patriarca, tinha propriedade em Vieira Machado, com o filho Felício; Nicolò, em Morro Vênus e Estêvão, em Desengano. É provável que Luigi tenha sido hóspede na casa deste último pois também residiam em Desengano os imigrantes bolonheses, Raffaele Campagna e Cristoforo Guizzardi, que foram convidados a testemunhar a união civil do casal italiano.

Provavelmente a família da noiva tenha sido contratada por algum fazendeiro, ex-escravocrata, dessa mesma região, para trabalhar como agricultores. Na época, a bacia do Itapemirim concentrava as maiores lavouras de café e, por conseguinte, era o maior polo econômico do Estado.

O enlace ocorreu na Estação do Castello, em 13 de dezembro de 1896, talvez por serem devotos de Santa Luzia. Luigi tinha 27 e ela 21 anos de idade.

Tanto Luigi quanto Giovanna eram oriundos do sul da Itália: ele de Scisciano (pronuncia-se xi-chá-no), nos arredores de Nápoles e ela de Siculiana, em Agrigento, na Sicília.

Os Senna já radicados no Espírito Santo eram oriundos de Tortorella, na província de Salerno, ao sul de Nápoles. Eram, portanto, da mesma região: a Campânia. Vale citar que a maioria dos italianos imigrados para o Espírito Santo, desde 1874, era proveniente do Norte (92%), outros 6% eram do Centro e apenas 2% da Itália do sul, conforme dados do Projeto Imigrantes Espírito Santo, do Arquivo Público.

Ainda em terras capixabas nasceu Antonio, o primogênito, antes do casal se retirar para São Paulo, onde teve outros filhos, dentre os quais João, em 1906, pai de Nayde, a mãe de Ayrton. Por linha paterna ele era ‘brasileiríssimo da Silva’. Estes e outros dados genealógicos, em maiores detalhes, foram publicados, com exclusividade, pela Revista Insieme (www.insieme.com.br) também online, na edição deste mês.

Senna faleceu em 1º de maio de 1994, em um trágico acidente no autódromo de Imola (Bolonha), 570 quilômetros ao norte de Scisciano, origem do seu bisavô.

Cilmar Franceschetto é diretor Geral do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A engenharia muda o mundo e está em tudo o que nos cerca

Com o ritmo acelerado da vida contemporânea, quase nunca nos sobra tempo para refletir sobre o mundo a nossa volta. Mas, se pararmos para pensar, concluímos que a engenharia está em tudo o que nos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Ineditismo e vanguarda: o Marco Regulatório das Startups

Foi publicada, no último dia 26 de novembro, a Lei Complementar Estadual nº 929/2019, de iniciativa do Governador do Estado, que institui instrumentos e procedimentos para o fomento às parcerias …


Exclusivo
Tribuna Livre

Sábio é quem aprende com a experiência alheia

Na semana passada, tivemos por aqui, nos Estados Unidos, a celebração do famoso feriado de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças, destinado a agradecer a Deus os bons acontecimentos do ano). Aproveitam…


Exclusivo
Cidades Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um …


Exclusivo
Tribuna Livre

O ônus do Judiciário e o Legislativo que joga para a plateia

Não é a primeira vez, e certamente não será a última, que vivenciamos certas articulações, no núcleo do poder, com o objetivo, simplesmente, de tentar limpar imagens manchadas e acalmar os ânimos da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Comer bem para viver bem

Mesmo antes das muitas descobertas científicas que revolucionaram o entendimento sobre o funcionamento do corpo humano; a correlação entre alimentação, atividades físicas e condições de saúde já era …


Exclusivo
Tribuna Livre

Eu sou real. E você?

Nunca na história da humanidade vivemos um momento de tantas, intensas e tão rápidas transformações como o que presenciamos hoje. Em cerca de três décadas, equipamentos, até então considerados …


Exclusivo
Tribuna Livre

Adeus, prisão!

O Código de Processo Penal vigente, em seu texto original (Decreto-Lei nº 3.689, de 3/10/1941), no art. 393, previa: “São efeitos da sentença condenatória recorrível: I - ser o réu preso ou …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados