search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Prioridade para uma reflexão sobre a pandemia da Covid-19
Tribuna Livre

Prioridade para uma reflexão sobre a pandemia da Covid-19

Embora tenha ocasionado a morte de milhares de pessoas no Brasil e de milhões no mundo, no início do século passado, a chamada "gripe espanhola", para a grande maioria dos brasileiros, é desconhecido capítulo da história ou, quando muito, algo que apenas se sabe ter ocorrido, sem maiores detalhes a respeito.

Por incrível que possa parecer para nós, que vivenciamos atual tormento, o mesmo deverá acontecer com a Covid-19, pois, ainda que tanto afete a população, para a história, em princípio, será apenas um dos seus trágicos capítulos, que torcemos para que termine o mais rápido possível.

Nessa perspectiva, estes repetidos dias de tremenda aflição, com o passar dos anos, caberão em poucas páginas de um talvez nem tão visitado livro, que, a rigor, não seria suficiente para nominar os que nos são tão caros e que tiveram suas vidas ceifadas por um vírus que repentinamente surgiu e diminuiu a marcha do então irrefreável curso de causas que não admitiam pausa sequer para pensar um pouco sobre os rumos da humanidade.

Fato é que na mesma Genebra dos Fóruns Econômicos Mundiais, o momento é da Organização Mundial da Saúde, onde, há pouco tempo, quando o mundo ultrapassava número de um milhão de mortos pela Covid-19, o diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, proferiu palavras que bem poderiam ocupar ao menos algumas linhas desses livros da história: "nunca é tarde demais para mudar o curso das coisas".

Foi assim, por exemplo, que depois de duas fratricidas guerras mundiais, separadas por curto espaço de tempo e que levavam à enorme probabilidade de repentina terceira, que o mundo se uniu em torno da criação de importantes documentos e órgãos internacionais, com o propósito de tentar "mudar o curso das coisas", em um momento crítico da história, possuindo o grande mérito da união em torno de valorosos objetivos, o que se constitui num relevante alicerce para bons resultados, venham eles ou não.

Porém, não obstante esse e outros históricos exemplos de transformação a partir de imensa dor, difícil obedecer à lição básica da união, quando se trata de enfrentar um inimigo invisível, terrivelmente letal para toda a humanidade, se ela própria vive se aniquilando, mediante as mais variadas armas que atualmente municiam tal finalidade.

Por mais que a surpresa dificulte quaisquer estratégias de defesa, em situações como tais, um cenário político, econômico e social extremamente desarmônico, encontra ambiente perfeito para diretrizes a partir de menos coalizão e mais dispersão, consequenciando ruidosa instabilização, donde cada qual com a sua razão, de acordo com a própria pretensão.

Nenhuma bem-vinda vacina será suficiente para combater novas cepas dessas armadilhas, daí a importância de retirar dos fatos a lição, para, além da dor, a história não registrar que essa pausa universal na evolução, não serviu de sinal evidente quanto à indispensável necessidade de rever a programação.

Luiz Antônio de Souza Silva é promotor de Justiça e escritor.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Revisão de lei dá mais segurança para a administração pública

Segue em tramitação o Projeto de Lei 1.0887/2018 que pretende alterar vários dispositivos a Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92). O projeto, originalmente apresentado pelo deputado Roberto de …


Exclusivo
Tribuna Livre

A pandemia e os respingos na segurança pública

A pandemia do coronavírus, identificada primeiramente na China, trouxe sofrimento com as mortes causadas, bem como medos e incertezas para o futuro, apresentando-se como um grande desafio para a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Precisamos falar sobre a imunidade parlamentar

Com o avanço dos meios de comunicação proporcionado pelas redes sociais, somando-se às práticas de desinformações e à vontade de “causar” e se tornar popular por uma opinião “polêmica”, cada vez mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Como a união e o foco superam as dificuldades na pandemia

Cerca de 8 milhões de pessoas perderam o emprego no Brasil ao longo do ano de 2020 com a pandemia da Covid-19, segundo dados do IBGE. Isso significa pais e mães de família sem o rendimento mensal …


Exclusivo
Tribuna Livre

O papel da escola na relevância crescente da tecnologia

Tecnologia é o conjunto de técnicas, habilidades e processos para produzir bens e serviços. Ao longo da história, descobertas como controle do fogo e revolução neolítica contribuíram para a disponibi…


Exclusivo
Tribuna Livre

Riscos da privatização da Codesa

A privatização da Codesa avança, enquanto o governo estadual, os grupos políticos e a classe empresarial assistem passivamente. Será que, de fato, todos eles sabem o que está sendo proposto? Talvez …


Exclusivo
Tribuna Livre

Desafios para micromobilidade

Mesmo existindo no Espírito Santo boas iniciativas de micromobilidade na forma de compartilhamento de bicicletas ainda são grandes as barreiras que impedem a transformação dos modelos locais e …


Exclusivo
Tribuna Livre

A guerra pelas vacinas

Com o avanço progressivo da pandemia da Covid-19 e as dificuldades dos países em controlar a contaminação, principalmente com o surgimento sistemático de novas variantes, a possibilidade de conceder …


Exclusivo
Tribuna Livre

O fim de tudo e o valor do percurso

A tempestade pandêmica inundou os dias com a feição de rio da vida. O tempo da morte caudalosa trouxe à tona a transitoriedade que sempre resistimos navegar. E o redemoinho que mói sem parar acabou …