search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Por que o Tribunal de Contas deu certo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que envolviam clientelismo e troca de favores entre aliados, assegurando aprovações de contas em troca de cargos de confiança e arranjos político-partidários.

À época, as auditorias e instruções técnicas nos processos eram feitas por servidores ocupantes de cargos em comissão, que poderiam ser demitidos a qualquer momento se desobedecessem às ordens de seus superiores hierárquicos.

Portanto, eram falsos “auditores” que não tinham qualquer independência para desenvolver um trabalho técnico. Se algum, por convicção profissional ou por retidão de caráter, se recusasse a inserir ou omitir informações por determinação de conselheiros ou chefes, estava sujeito à exoneração.

Agregava-se ao problema o fato de que muitos daqueles servidores eram nomeados apenas por relações de parentesco e amizade com autoridades, sem ter formação técnica adequada. Muitos nem mesmo tinham escolaridade superior.

A chegada dos auditores concursados, que ocorreu a partir de 1995, menos sujeitos a pressões, representou uma mudança de ares.

De início, profundamente hostilizados pelos servidores antigos, logo passaram a demonstrar supremacia técnica inconteste, encontrando irregularidades e desvios de recursos como nunca antes ocorrera, minando a capacidade de operação política dos conselheiros, pois apenas com dificuldades eram capazes de elidir os gravames contra os gestores.

Ainda que a prática de permitir que os servidores comissionados continuassem a participar de auditorias tenha perdurado por mais de uma década (apenas a presidência do conselheiro Carlos Ranna encerrou a prática), a supremacia dos auditores concursados não era mais questionada.

Contudo, ainda que a área técnica tivesse conseguido relativa independência, pois muitos chefes se empenhavam em criar constrangimento ou até a insinuar ameaças para coagir os profissionais, não tinha competência para decidir.

Em última instância, as irregularidades acabavam afastadas quando os conselheiros julgavam os casos.

Depois de 1995, podemos dizer que uma das pernas do Tribunal de Contas estava curada, a da área técnica, mas a outra perna ainda estava doente, a do plenário. Desse modo, a Corte não andava.

Entretanto, a chegada à presidência do conselheiro Sérgio Aboudib, em 2011, representou uma virada de mesa.

O plenário, que já vinha se renovando, se depurou com a inclusão de novos conselheiros com outras trajetórias profissionais e de vida.

Atualmente, ao final da terceira presidência do conselheiro Aboudib, entremeada pelas dos conselheiros Carlos Ranna e Domingos Taufner, tem-se um dos tribunais de contas mais modernos do país, sendo referência tecnológica, legislativa e administrativa para os congêneres.

Hoje, as duas pernas do Tribunal de Contas funcionam ritmicamente, como fórmula que permite o sucesso da instituição.

No início do próximo ano, o conselheiro Rodrigo Chamoun receberá o ônus da investidura presidencial. Que tenha sucesso.

Sergio Lievore é auditor de controle externo

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Meditação é de graça e fácil

Li outro dia uma coisa engraçada sobre a meditação, mas que traduz uma grande verdade: “Se correr o bicho pega; se ficar o bicho come; se meditar o bicho some”. Sim, o bicho some completamente …


Exclusivo
Tribuna Livre

O uso da geointeligência no combate ao crime

Nas últimas décadas, a humanidade vivencia grandes invenções tecnológicas. Sua constante necessidade de compreender e ocupar o meio em que vive a obriga ter novos conhecimentos a sua disposição. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Ionização negativa como cura e prevenção

Muitas pessoas não sabem, mas existe uma situação em que a palavra negativo se completa perfeitamente com a palavra positivo. Sim, quando falamos em íons negativos, que são partículas rápidas da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Cidadania ativa é o caminho

O mundo está mudando, as pessoas já não aceitam mais ser espectadoras da cena política, o incômodo parece ser geral, corações e mentes em franco processo de transformação. Parece desordem, fim …


Exclusivo
Tribuna Livre

Donald Trump, Brexit e eleições municipais

Nós, brasileiros, vivenciamos nas últimas eleições nacionais uma guinada política. Sem qualquer juízo de valor, destaco apenas que foi possível verificar nas urnas uma escolha da substancial maioria …


Exclusivo
Tribuna Livre

Depressão, um problema que não podemos ignorar

Um alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a depressão entre idosos lidera o ranking de novos diagnósticos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou, por …


Exclusivo
Tribuna Livre

Menos cortes e mais cultura

A cultura faz parte da estrutura identitária de um povo. É o elo de pertencimento do indivíduo com a coletividade, e deve ser tratada como política pública, de matriz constitucional. Se depender …


Exclusivo
Tribuna Livre

O julgamento do Tribuna do Júri

O primeiro imperador do Brasil, D. Pedro I, instituiu, em 1822, o Tribunal do Júri no Brasil, com competência exclusiva para julgar os crimes de imprensa. No ano de 1824, outorgou a primeira …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tecnologia e o trabalho humano entre operadores do Direito

Sou um advogado em meio a 1,1 milhão de outros advogados espalhados pelo Brasil, aproximadamente. Frente a isso, temos ainda as tecnologias, robôs e equipamentos eletrônicos que tendem a ocupar força …


Exclusivo
Tribuna Livre

Constelação sistêmica familiar como uma ferramenta de cura

A constelação sistêmica familiar, organizacional e jurídica é uma ferramenta de cura desenvolvida por Bert Hellinger, que viveu muitos anos na África com os índios da tribo Zulu, onde estudou padrões …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados