search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Por que há mulheres que suportam a violência doméstica?
Regina Navarro Lins
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins


Por que há mulheres que suportam a violência doméstica?

Não há necessidade do uso da força para subjugar o outro; meios sutis, repetitivos, velados, ambíguos podem ser empregados com igual eficácia. Atos ou palavras desse tipo são muitas vezes mais perniciosos que uma agressão direta, que seria reconhecida como tal e levaria a uma reação de defesa.

Discurso alienante
A psicanalista francesa Marie-France Hirigoyen, que pesquisou bastante sobre a violência no casal, faz uma severa crítica aos psicanalistas que consideram que as mulheres que permanecem na relação experimentam uma satisfação masoquista em ser objeto de sevícias.

“É preciso que esse discurso alienante cesse, pois, sem uma preparação psicológica destinada a submetê-la, mulher alguma aceitaria os abusos psicológicos e muito menos a violência física.”

Cérebro úmido?
No século XIX, médicos diziam que as mulheres tinham um sistema nervoso muito delicado, “doença mensal” e cérebro menor e úmido. Tudo isso fazia com que fosse perigoso para elas votar, trabalhar fora de casa, escrever livros, ir para a universidade, ou participar de debate público.

Visita ao médico
No século XIX, o século do pudor, na Inglaterra, quando uma mulher ia ao médico não podia tirar a roupa; tinha que apontar numa boneca o local da dor. Durante o parto, o médico trabalhava às cegas, as mãos sob um lençol, para não ver os órgãos genitais da mulher. No banho se usava um produto para turvar a água para a mulher não ver o próprio corpo.

Mudança de avaliação
Em 1970, pesquisa na França mostra que a maioria tanto das mulheres quanto dos homens acreditava que a infidelidade de um homem casado era uma coisa perdoável, enquanto em 1992 as mulheres, majoritariamente, já não consideram esse comportamento aceitável.

A crescente autonomia das mulheres no casamento e na vida social passa a se manifestar através de uma exigência maior em relação ao cônjuge, na medida em que é mais fácil para elas interromper uma relação não satisfatória.

Existe alguma idade para se começar a ter relações sexuais? 
Acredito que o jovem deve iniciar sua vida sexual quando desejar. Os pais e a sociedade devem cuidar para que isso ocorra da forma mais natural e prazerosa possível.

A saúde mental e social das pessoas depende disso. Certamente muitos casos de impotência, ejaculação precoce e ausência de orgasmo feminino seriam evitados, assim como diversos tipos de agressão sexual.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Perigosa atração

Na História encontramos muitos exemplos de mulheres fatais. A primeira e a mais competente de que se tem notícia parece ter sido mesmo Eva. Ao tentar Adão, teria provocado a desgraça, não só para …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O corpo

O corpo O culto do corpo da Antiguidade (4000 a.C. a 476 d.C) cede lugar, na Idade Média (séculos V ao XV), a uma derrocada do corpo na vida social. Para gregos e romanos, o nu masculino era …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O amor em cada época se apresenta de uma forma

É comum se pensar no amor como se ele nunca mudasse. Mas a forma que amamos é construída socialmente, e em cada época e lugar se apresenta de um jeito. Crenças, valores e expectativas determinam a …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Briga de casal

Devido ao descompasso entre o que se esperava da vida a dois e a realidade, as frustrações vão se acumulando e, de forma inconsciente, gerando ódio. Mas até chegar a esse ponto, o casal se esforça …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Medo de amar

Os romanos desenvolveram a ideia de prudência, de lutar contra o amor, visando evitar o sofrimento do amor. Para o poeta-filósofo Lucrecio, o amor sexual apaixonado devia ser cuidadosamente evitado: …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Conhece alguém que nunca viveu uma grande paixão?

Você conhece alguém que nunca se apaixonou? É raro. Nós todos aprendemos, desde cedo, a desejar viver uma paixão. Mas é um sentimento tão forte e invasivo, que pode levar a pessoa a ignorar suas …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Obcecados pelo amor

Nunca houve na História um período em que tanta gente considerasse o amor tão importante, nem pensasse tanto em amor, nem usasse tantas palavras para expressá-lo, como no século XX. As pessoas estão …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Os segredos do sexo

Um manual escrito em 1720, com “os segredos do sexo”, banido na época, foi a leilão no Reino Unido. O autor, desconhecido, usava o pseudônimo de Aristóteles e oferecia várias recomendações aos …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O aprendizado no sexo

Desde que trabalhos de grande repercussão como os de Alfred Kinsey e Masters & Johnson foram publicados, na metade do século XX, o sexo passou a ser discutido cada vez mais abertamente. O …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O homem duro, viril a toda prova, felizmente, está saindo de cena

No tempo em que meninos, jovens e adultos ouviam com frequência “Seja homem!”, “Prove que você é homem!”, “Vem cá se você é homem!”, ou seja, sempre desafiados a provar sua masculinidade, surgiu o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados