X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

Votação de proibição a casamento de pessoas do mesmo sexo é adiada

A votação já havia sido adiada no último dia 19, sob acordo de que aconteceria nesta semana, após uma audiência pública


Imagem ilustrativa da imagem Votação de proibição a casamento de pessoas do mesmo sexo é adiada
A princípio, a votação ficou marcada para o próximo dia 10 |  Foto: Agência Brasil/Lula Marques

A Comissão de Previdência e Família da Câmara dos Deputados adiou novamente nesta quarta-feira (27) a votação do projeto que proíbe o reconhecimento do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Parlamentares de esquerda articularam com o relator, deputado Pastor Eurico (PL-PE), para realizar alterações no texto, e há um acordo para a criação de um grupo de trabalho para debater o tema.

A princípio, a votação ficou marcada para o próximo dia 10, mas há pedidos de deputados de esquerda para que a deliberação seja adiada por mais tempo, para que o tema possa ser mais longamente debatido.

"É importante que seja formado um grupo de trabalho para acompanhar essas possíveis modificações no relatório", disse o presidente da comissão, Fernando Rodolfo (PL-PE).
De acordo com Rodolfo, o grupo terá um número equilibrado de nomes a favor e contra o projeto.

A votação já havia sido adiada no último dia 19, sob acordo de que aconteceria nesta semana, após uma audiência pública.

A sessão desta quarta começou marcada pelo impedimento de que manifestantes LGBTQIA+ acompanhassem o debate na comissão. Após protestos de deputados e deputadas de esquerda, a reunião foi transferida para uma sala maior e a entrada do público foi autorizada.

Os debates começaram pela manhã e terminaram apenas na noite desta quarta. Foram lidos três relatórios paralelos, de autoria de Erika Kokay (PT-DF), Laura Carneiro (PSD-RJ), Erika Hilton (PSOL-SP) e Pastor Henrique Vieira (PSOL-RJ) -estes dois últimos apresentaram um texto conjunto.

A leitura dos três documentos foi aplaudida pelos manifestantes presentes na sessão. Eles se contrapõem ao relatório de Pastor Eurico, que prevê a proibição do casamento de pessoas do mesmo sexo.

O debate ocorreu enquanto a pauta de toda a Câmara estava travada por uma obstrução puxada pela bancada ruralista e pelo centrão para pressionar o governo Lula (PT) por movimentações políticas e contra decisões recentes do STF (Supremo Tribunal Federal). Deputados conservadores também pressionam pelo avanço do chamado estatuto do nascituro.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: