X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Reverenda será o 'braço-direito' de Regina Duarte na Cultura

| 23/01/2020 16:20 h

Bolsonaro afirmou que a nomeação da atriz Regina Duarte para o comando da Secretaria da Cultura deve ser formalizada na semana que vem
Bolsonaro afirmou que a nomeação da atriz Regina Duarte para o comando da Secretaria da Cultura deve ser formalizada na semana que vem |  Foto: Carolina Antunes/ Agência Brasil

Mesmo sem ter confirmado a sua entrada no governo Jair Bolsonaro, a atriz Regina Duarte escolheu nesta quinta-feira, 23, como "número 2" da Secretaria Especial de Cultura a reverenda Jane Silva, atual secretária de Diversidade Cultural da pasta.

Jane ocupará o cargo de secretária-adjunta da Cultura "até que haja uma definição sobre a nomeação de Regina Duarte". A informação foi confirmada nesta quinta, 23, pela Secretaria Especial de Cultura. Segundo a pasta, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), participou da escolha.

Como adjunta, a reverenda atuará automaticamente como chefe interina da Cultura, já que o cargo de secretário da pasta está vago desde a última sexta-feira, 17, quando o dramaturgo Roberto Alvim foi demitido por parafrasear discurso do nazista Joseph Goebbels.

O cineasta Josias Teófilo disse na quarta-feira, 22, ao jornal O Estado de S. Paulo ter sido sondado ao cargo de secretário-adjunto da Cultura. "Não tem nada certo ainda. Regina está sendo consultada, vai responder ainda", afirmou. Ele ficou conhecido pelo seu primeiro filme, O Jardim das Aflições, sobre o guru bolsonarista Olavo de Carvalho, do qual Josias tornou-se amigo pessoal.

A vaga de "número 2" da Cultura ficou em aberto nesta quarta-feira (22), quando José Paulo Soares Martins foi exonerado do cargo de secretário-adjunto. Para a reportagem, ele disse que não sabe o motivo de sua saída. A exoneração foi publicada hoje.

No último dia 14, um e-mail sobre "objetivos" para 2020, enviado "em nome" do ex-secretário-adjunto a chefes da Secretaria de Cultura e a órgãos vinculados, como a Agência Nacional de Cinema (Ancine), endossava o discurso de "guerra cultura" defendido por Alvim.

A mensagem, divulgada pelo The Intercept, a qual o jornal O Estado de S. Paulo também teve acesso, afirma que a cultura no Brasil deveria ser norteada em "princípios e valores da nossa civilização" e "profunda ligação com Deus". O mesmo texto cita ainda "luta contra o que degenera".

O texto causou constrangimento dentro do governo e foi considerado "fora do tom" por gestores da cultura ouvidos pela reportagem. Martins afirmou à reportagem "que apenas reproduzia as orientações do então secretário da Cultura (Alvim)".

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS