X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

Relatório da CPI de 8 de janeiro propõe indiciamento de Bolsonaro e de ex-ministros

Senadora Eliziane Gama (PSD-MA) sugeriu o indiciamento do ex-presidente, dos generais Augusto Heleno e Braga Netto, além de Anderson Torres



Imagem ilustrativa da imagem Relatório da CPI de 8 de janeiro propõe indiciamento de Bolsonaro e de ex-ministros
Ex-presidente Jair Bolsonaro é um dos que teve o indiciamento proposto pela relatora da CPI do 8 de Janeiro |  Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A relatora da CPI do 8 de janeiro, senadora Eliziane Gama (PSD-MA), sugeriu o indiciamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e dos ex-ministros general Augusto Heleno, general Walter Braga Netto, e Anderson Torres.

Gama mirou o "núcleo duro" do bolsonarismo para apontar que o ex-presidente estava cercado por movimentos radicais —que chegaram ao ápice no dia 8 de janeiro, com a destruição do Palácio do Planalto, do Congresso e do STF.

Leia mais notícias de Política aqui

A participação de Bolsonaro, segundo a senadora, foi exposta pelo programador Walter Delgatti Neto, o hacker da Vaza Jato, e pela delação premiada de seu principal ajudante de ordens, o tenente-coronel Mauro Cid.

Em depoimento à CPI, Delgatti disse que a campanha de Bolsonaro planejou forjar a invasão de uma urna eletrônica em 2022, e que o próprio ex-presidente pediu para que ele grampeasse conversas do ministro Alexandre de Moraes.

Diferentes minutas golpistas circularam no entorno de Bolsonaro após a vitória de Lula. Uma delas, encontrada no armário de Torres, autorizava o ex-presidente a instaurar estado de defesa na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Outra foi localizada no celular de Cid.

Ao longo das investigações, Gama tentou reconstruir a escalada dos radicais após a vitória de Lula (PT), começando pelas blitze feitas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) no segundo turno para dificultar a votação de eleitores petistas.

A relatora sugeriu, por exemplo, que o ex-diretor da PRF Silvinei Vasques seja indiciado. Vasques está preso desde agosto a pedido da Polícia Federal pelas mesmas suspeitas.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Outro alvo da CPI foi o acampamento montado em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília, após a derrota de Bolsonaro. A relatora pede o indiciamento do ex-comandante do Exército general Freire Gomes, e do general Gustavo Dutra, ex-chefe do Comando Militar do Planalto.

A linha do tempo construída pela relatora menciona ainda os ataques ocorridos em Brasília na reta final do governo Bolsonaro: a tentativa de invasão da sede da PF —e o rastro de destruição provocado por bolsonaristas no dia—, além da colocação de uma bomba perto do aeroporto.

Gama também detalhou o papel dos militares formados nas forças especiais do Exército, os chamados de "kids pretos", e sugeriu o indiciamento do general Ridauto Fernandes, ex-diretor de Logística no Ministério da Saúde durante o governo Bolsonaro.

"As invasões do dia 8 de janeiro fracassaram em seus objetivos mais escuros, mas os ataques à democracia continuam", escreveu Gama. "O 8 de janeiro ainda não terminou, urge que o sistema de vigilância seja permanente."

O relatório —de mais de 1.300 páginas— será votado na sessão desta quarta (18). O documento, obrigatório em comissões parlamentares de inquérito, pode apenas sugerir indiciamentos a autoridades responsáveis, como o Ministério Público Federal.

O principal relatório da oposição sugere a responsabilização do próprio presidente Lula, além de GDias, Dino, do ex-interventor e número dois do Ministério da Justiça, Ricardo Capelli, e do ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Saulo Moura.

O documento também pede o indiciamento do comandante-geral da Polícia Militar do DF em 8 de janeiro, coronel Klepter Rosa Gonçalves, e do então chefe do Departamento Operacional da corporação, tenente-coronel Paulo José.

Em um segundo relatório da oposição, o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) também defendeu o indiciamento de Dino e GDias.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: