X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

Projeto de lei quer obrigar streaming a usar audiodescrição em filmes

Texto prevê alterar a lei de inclusão de pessoas com deficiência no Brasil


A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) apresentou um projeto de lei na última semana para obrigar as plataformas de streaming e vídeo a ampliarem a acessibilidade em seus conteúdos.

O texto prevê alterar a lei de inclusão de pessoas com deficiência em vigor no Brasil, de 2015, que obriga apenas os serviços de radiodifusão de som e imagem, como a televisão, a oferecerem recursos de acessibilidade aos usuários.

Entre as mudanças, estaria a oferta de audiodescrição nos conteúdos, que traduz as imagens em palavras para pessoas cegas ou com baixa visão.

Pelo projeto, a nova regra atingiria as plataformas que atuam profissionalmente e com finalidade econômica, como Netflix, Amazon Prime Video e YouTube, e que têm ganhado relevância nos últimos anos, segundo a justificativa de Gabrilli.

Questionada pelo Painel S.A. se apoia a mudança, a Netflix diz que está comprometida em avaliar inovações e trabalhar com comunidades de pessoas com deficiência e formuladores de políticas para oferecer entretenimento mais inclusivo e acessível.

"Estamos expandindo constantemente nosso catálogo de títulos com legendas para assinantes surdos e com deficiência auditiva e audiodescrição para cegos e com deficiência visual. Também oferecemos recursos como sistemas de audição assistida, controles de brilho, atalhos de teclado, leitores de tela e comandos de voz", diz a Netflix.

O YouTube diz que não tem uma análise sobre o projeto de lei neste momento. Segundo a plataforma de vídeos, o objetivo é incentivar a criação de conteúdo acessível.

"As legendas já são uma realidade na plataforma e trabalhamos para que melhorias contínuas sejam aplicadas a este recurso em TV, console de jogos ou dispositivo de mídia compatível com o YouTube. Os criadores também podem ativar legendas automáticas para qualquer transmissão ao vivo", diz a plataforma.

A Amazon Prime Video e HBO Max também foram procuradas pela coluna, mas não responderam.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: