X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

Ministro manda prender 4 e colocar tornozeleira em 2

Vereador de Vitória, pastor, jornalista e radialista são alvos dos mandados de prisão. Decisões ainda afetam deputados estaduais


Imagem ilustrativa da imagem Ministro manda prender 4 e colocar tornozeleira em 2
Manifestantes em bloqueio de rodovia: atos motivaram a ação da Polícia Federal, por determinação de ministro. |  Foto: BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, o Espírito Santo foi um dos alvos da operação da  Polícia Federal nesta quinta (15). No Estado, foram 23 mandados de busca e apreensão e quatro  de prisão preventiva em  Vitória, Vila Velha, Serra, Guarapari e Cachoeiro de Itapemirim.

A operação, de acordo com o STF,  se baseou em uma rede de investigação formada por relatórios de inteligência enviados pelo Ministério Público, pelas polícias Rodoviária Federal, Civil e Militar. 

Os documentos identificaram, segundo o Supremo,  patrocinadores de manifestações, de financiadores de estruturas para acampamentos, arrecadadores de recursos, lideranças de protestos, mobilizadores de ações – chamadas de antidemocráticas pelo STF – em redes sociais, além de donos de caminhões e veículos que participaram de bloqueios em rodovias.

Entre os presos  no Estado está o vereador Armandinho Fontoura (Podemos), eleito em 2020 para o primeiro mandato  na Câmara  de Vitória. Ele  se apresentou por volta das 17 horas  na sede da Polícia Federal, em São Torquato, Vila Velha. De lá, foi levado para o  Centro de Detenção Provisória de Viana 2.

Na decisão, consta que ele  é investigado por usar sua rede social para pedir que seja colocado “limite nesses bandidos togados”,  e por chamar ministros do STF de “imperadores do Brasil”.

O jornalista Jackson Rangel  foi outro preso. De  Cachoeiro, ele  foi transferido para a Penitenciária de Segurança Média 1, em Viana. A  decisão  cita que ele é investigado por “extenso histórico de abusos no exercício da liberdade de imprensa e de expressão, com ataques a  instituições”.

O radialista Max Pitangui (PTB), que disputou a Assembleia nas eleições de 2022,  sendo derrotado,   também teve a prisão decretada. Ele  é investigado por se manifestar, segundo o STF,  de forma abusiva, representando liderança dos movimentos classificados  pelo Supremo como antidemocráticos.

Já o pastor Fabiano Oliveira, também com  prisão decretada,  é investigado por, segundo Moraes, integrar movimento chamado Soberania da Pátria, que ataca o sistema eleitoral. 

O STF também determinou que os deputados estaduais Capitão Assumção (PL) e Carlos Von (DC) usem tornozeleiras eletrônicas. A todos os acusados, foi determinada a apreensão de passaportes.


Saiba mais


Operação

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou uma megaoperação realizada ontem pela Polícia Federal em oito estados – Espírito Santo, Acre, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rondônia e Santa Catarina - e no Distrito Federal contra o que ele chama de “atos antidemocráticos”.

Mandados de prisão e busca e apreensão 

Em duas decisões, o ministro determinou 103 medidas de busca e apreensão, quatro ordens de prisão preventivas, quebras de sigilo bancário, apreensão de passaportes, suspensão de certificados de registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CACs), além do bloqueio de contas bancárias e de 168 perfis em redes sociais de dezenas de indivíduos suspeitos de “organizar e financiar atos pela abolição do Estado Democrático de Direito e outros crimes”.

No Espírito Santo

No Estado, foram 23 medidas de busca e apreensão envolvendo 12 pessoas, a partir de informações do Ministério Público do Espírito Santo, além de quatro prisões preventivas para manutenção da ordem pública, apreensão de passaportes e decretação de afastamento do sigilo bancário e sigilo telemático, segundo o Supremo.

Imagem ilustrativa da imagem Ministro manda prender 4 e colocar tornozeleira em 2
|  Foto: © Divulgação

Prisões decretadas

> Armandinho Fontoura (Podemos), vereador de Vitória;

> Fabiano Oliveira, pastor;

> Max Pitangui (PTB), candidato a deputado estadual derrotado e radialista; 

> Jackson Rangel Vieira, jornalista.

Deputados com tornozeleira eletrônica no Estado

Em sua decisão, foi  determinada aos dois únicos deputados estaduais  investigados – Capitão Assumção (PL) e Carlos Von (DC):

1) Uso de tornozeleiras eletrônica, nos termos do artigo 319, IX, do Código de Processo Penal; não havendo necessidade de oficiar à Assembleia Legislativa, pois não impede  o exercício dos mandatos.

2) Proibição de ausentar-se do Estado, com a finalidade de assegurar o pleno exercício dos mandatos parlamentares;

3) Proibição de participação em suas e em quaisquer redes sociais, ainda que por interpostas pessoas;

4) Proibição de concessão de entrevistas de qualquer natureza, exibidas em quaisquer meios, sem prévia autorização judicial;

5) Proibição de participar de qualquer evento  público em todo o território nacional.

Em caso de descumprimento, a pena é de aplicação de multa diária de R$  20 mil. 

Fonte:  Supremo Tribunal Federal (STF) e pesquisa A Tribuna.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: