X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

MBD apoia o governador Casagrande

Simone Tebet disse que partido apoia reeleição de Casagrande e, em contrapartida, Rose será a candidata do governo ao Senado

Rodrigo Péret, do jornal A Tribuna | 17/07/2022 15:55 h

A pré-candidata à Presidência da República, a senadora Simone Tebet (MDB), afirmou que o partido irá apoiar a reeleição do governador Renato Casagrande (PSB) e que um acordo para que o governador apoie a pré-candidatura de reeleição da senadora Rose de Freitas (MDB) já estaria “selado”.

Casagrande recebeu Simone Tebet no Palácio Anchieta: pré-candidata à Presidência se reuniu com lideranças
Casagrande recebeu Simone Tebet no Palácio Anchieta: pré-candidata à Presidência se reuniu com lideranças |  Foto: Rodrigo Araújo/Governo ES
  

“O apoio de Casagrande a Rose de Freitas já está selado. Quem quer apoio tem de estar disposto a dar apoio. Ao ter apoio do MDB de Rose de Freitas, automaticamente irá apoiá-la. É uma estrada de duas vias. Os palanques regionais precisam ser respeitados, e com Casagrande tendo apoio nosso, ele irá apoiar Rose de Freitas” declarou.

A fala ocorreu durante evento de pré-campanha de Tebet em Vitória, que contou com a presença de membros locais do MDB, do PSDB e do Cidadania. Os dois últimos formam uma federação que apoia, nacionalmente, o MDB.

Rose de Freitas porém, preferiu ser mais cautelosa: disse que aguarda o governador declarar seu apoio a ela publicamente e que ficará “muito feliz” se (ou quando) isso acontecer. 

“Ouvi do Casagrande que ele tem essa vontade. Mas falta a vontade pública, declarada, que cabe a ele fazer e não eu. Seria a primeira vez que o Executivo me apoiaria em uma campanha majoritária. Gostaria de ter. Ficarei muito feliz quando ele vier a público e declarar apoio a mim”, afirmou.

“Até porque não gosto de candidatura avulsa, sou contra. Você tem um time, você torce por ele, tem um lado. E eu não sou 'meio-Casagrande'. Eu poderia apoiar ex-prefeitos, como o Guerino e o Audifax, por exemplo. Mas estou no projeto do governador por acreditar que o Estado precisa disso. Se eu não sou meio-Casagrande, ele não será meio-Rose, não é mesmo?”, completou.

Entre os políticos que prestigiaram o evento, destacam-se os nomes do ex-senador Ricardo Ferraço (PSDB), da ex-deputada Luzia Toledo (Republicanos) e dos presidentes estaduais do PSDB e do Cidadania, os deputados Vandinho Leite e Fabrício Gandini.

Após a cerimônia, Simone Tebet almoçou  com lideranças políticas  e, durante a tarde, se reuniu com o governador no Palácio Anchieta para tomar um café e, segundo publicação de Casagrande no Twitter, reafirmou o apoio à reeleição do socialista.

Tebet faz apelo a eleitorado feminino e quer ser terceira via

A senadora e pré-candidata ao governo federal  Simone Tebet (MDB) fez, durante  evento em Vitória, apelo ao eleitorado feminino, criticou a polarização política e se colocou como alternativa ao ex-presidente Lula (PT)  e ao atual presidente Jair Bolsonaro (PL), que também são pré-candidatos.

 Primeiro, ela destacou seu jingle “Ela sim, eles não” em referência aos concorrentes, afirmando que a polarização é prejudicial para a população.

“A questão não é direita e esquerda, é olhar para o norte e apresentar solução para os reais problemas do País. Erradicar a miséria, diminuir a pobreza, a desigualdade social. Garantir a transferência de renda porque há milhões passando fome, possibilitar educação de qualidade”, declarou a senadora.

A pré-candidata destacou que, além de ser uma representante do centro, também representa as mulheres, que são maioria da população brasileira. 

“É a voz feminina que precisa ser representada. Aqui no Espírito Santo, a senadora Rose de Freitas (MDB) é uma das poucas com condições de fazer esse papel. Não podemos diminuir o número da bancada, de mulheres falando sobre o que nós mulheres precisamos e queremos para nossas vidas. Queremos mais mulheres na política”.

Durante seu discurso, mencionou várias vezes a questão da pobreza no Brasil, mas não abordou possíveis planos de seu governo para solucionar a questão. Ela chegou a dizer que as propostas estão sendo construídas “a muitas mãos”.  

Segundo a pré-candidata, a  partir do momento que o País tiver um governo equilibrado e com boas relações com a iniciativa privada, atrairá investimentos e reduzirá o custo de vida da população. 

“O prato do brasileiro não é mais o arroz com feijão. É o arroz ou feijão. Aliás, arroz quebrado, não tendo nem gás para cozinhar. Tudo é em dólar. Se tem estabilidade, um governo estável, controla o câmbio e, com dólar mais barato, tudo cai. Cai o preço do combustível, do gás de cozinha, da energia. A comida chegará mais barata na mesa do trabalhador”.

Mais viável é o posto de vice na chapa, diz Gandini

O presidente estadual do Cidadania, Fabrício Gandini, declarou que a federação entre seu partido e o PSDB irá focar em ter um candidato a vice em chapa do governo. 

A fala foi feita minutos antes da pré-candidata ao governo Simone Tebet (MDB) afirmar que Rose de Freitas será a candidata ao Senado da chapa de reeleição do governador Renato Casagrande (MDB).

Gandini não confirmou oficialmente que a federação irá apoiar Casagrande, explicando que o grupo ainda conversa com vários pré-candidatos. Mas admitiu que a articulação da federação não será para disputar o Senado, e que o nome do ex-senador Ricardo Ferraço (PSDB) está em alta internamente.  

“A composição para vice tem mais sentido para nós, é mais viável até pelos nomes que estão sendo colocados. E sim, o Ferraço é um dos nomes, foi colocado há algum tempo e vemos de forma positiva”.

Gandini ainda aproveitou para elogiar Rose, classificando-a como “o melhor nome para o Senado”, mas declarando que apesar disso, a federação PSDB/Cidadania poderá ficar em chapa diferente dela. 

“A gente pode ficar em chapa diferente da Rose. Estamos juntos nacionalmente, mas regionalmente, não há essa obrigatoriedade”. 

A presença do PT como aliado de Casagrande, porém, é algo que incomoda a federação PSDB/Cidadania, segundo Gandini. 

“Se estiver na coligação ok, mas se compor a  majoritária… Não sei se seria impeditivo, mas é preciso ter coerência. Nós também temos candidata ao governo federal, e precisamos garantir palanque”.

PT não incomoda, diz Rose

O anúncio de apoio do PT ao governador Renato Casagrande (PSB) para sua reeleição mexeu com partidos aliados do governador, como o PSDB e o Cidadania, que questionam como será a participação dos petistas e de uma eventual falta de palanque à Tebet.  

Mas para a senadora Rose de Freitas (MDB), não há problema algum nem localmente nem nacionalmente. 

“É democrático. Se hoje o governador conversa com o PT, que tem um candidato ao governo federal, é porque ele saberá reduzir as dúvidas locais sobre essa aliança. O PT não é algo que nos incomoda”.

A presença do PT como aliado de Casagrande coloca mais um partido como candidato a uma vaga na chapa de reeleição do governador. 

Além dos petistas e do MDB, desejam o posição de vice ou senador da chapa PP, Podemos e a federação PSDB/Cidadania.

O PT, porém, não está garantido na chapa do governador. Segundo membros do próprio partido, a tendência é que a sigla lance uma candidatura avulsa ao Senado, sem integrar a chapa de Casagrande. 

O apoio à reeleição do socialista se daria, desta forma, em troca de palanque regional para a candidatura do ex-presidente Lula ao governo federal. 

Membros do PT como o ex-deputado Perly Cipriano confirmam que a prioridade do partido nacionalmente é garantir palanques regionais ao ex-presidente.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS