X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

Lula critica uso da religião na política e diz que Bolsonaro se acovardou

De acordo com o petista, ex-presidente só não levou adiante seu plano golpista pois agentes das Forças Armadas não quiseram seguir este caminho


Imagem ilustrativa da imagem Lula critica uso da religião na política e diz que Bolsonaro se acovardou
Lula fez declarações defendendo a laicidade do Estado |  Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Lula (PT) afirmou nesta segunda-feira (18) que agora se tem certeza sobre o que antes se falava como "insinuação" em um golpe contra a democracia brasileira. Segundo ele, o Brasil viveu um sério risco de uma ruptura democrática em 2022.

Em fala na abertura de reunião ministerial no Palácio do Planalto, Lula também chamou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) de "covardão" por não ter levado adiante seus planos golpistas e acrescentou que só não houve golpe porque "algumas pessoas que estavam no comando das Forças Armadas" não quiseram seguir por esse caminho.

Leia mais sobre Política

Na mesma fala, Lula criticou a tentativa de uso da religião na política, como enalteceu semanas atrás a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro em discurso na avenida Paulista. O discurso de Michelle é apontado por especialistas como um aceno para a supremacia cristã e uma ameaça para a laicidade do Estado.

"[As pessoas querem] um país em que a religião não seja instrumentalizada como instrumento político, de um partido político ou de um governo", afirmou Lula.

"Que a fé seja exercitada na mais plena liberdade das pessoas que queiram exercê-la. A gente não pode compreender a religião sendo manipulada da forma vil e baixa como está sendo nesse país. Então democracia é a gente tentar que esse país volte à normalidade."

Na semana passada, a divulgação de 27 depoimentos dados por militares, políticos e ex-assessores de Bolsonaro reforçou a suspeita investigada pela Polícia Federal sobre a atuação do ex-presidente no comando de uma trama no final de 2022 para mantê-lo no poder e evitar a posse de Lula.

Duas figuras-chave, os então comandantes do Exército, Marco Antônio Freire Gomes, e da Aeronáutica, Carlos Baptista Júnior, fizeram afirmações à PF que implicam não só Bolsonaro, mas também seu ministro da Defesa, o general Paulo Sérgio Nogueira, e o então comandante da Marinha, o almirante Almir Garnier Santos.

Os depoimentos dos dois comandantes trazem mais detalhes de reuniões e pressões que apontam para uma discussão na alta cúpula da gestão Bolsonaro para a adoção de medidas de exceção que incluiriam a prisão de autoridades, como o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes.

Sobre isso, Lula afirmou nesta segunda-feira: "Hoje a gente tem clareza por depoimentos de gente que fazia parte do governo dele, ou que estava no comando inclusive das Forças Armadas, de gente que foi convidado pelo presidente para fazer um golpe".

"Como não deu certo, eles agora estão dizendo que estamos ferindo a democracia, que eles são inocentes, que eles apenas fizeram discussões mas que não houve nada de concreto. Mas sabemos que houve tentativa de golpe nesse país."

"Quem tinha dúvida agora pode ter certeza que por pouco a gente não voltou aos tempos tenebrosos desse país", completou.

Bolsonaro já foi condenado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por ataques e mentiras sobre o sistema eleitoral, por exemplo, e é alvo de diferentes outras investigações no STF. Neste momento, ele está inelegível ao menos até 2030.

Caso seja processado e condenado pelos crimes de tentativa de golpe de Estado, tentativa de abolição do Estado democrático de Direito e associação criminosa, o ex-presidente poderá pegar uma pena de até 23 anos de prisão e ficar inelegível por mais de 30 anos.

Bolsonaro ainda não foi indiciado por esses delitos, mas as suspeitas sobre esses crimes levaram a Polícia Federal a deflagrar uma operação que mirou seus aliados em fevereiro.

As próximas etapas são a finalização da investigação pela PF, análise da PGR (Procuradoria-Geral da República) e definição por parte do STF se Bolsonaro se transforma em réu para ser julgado em seguida pelo plenário. Caso não se justifique uma preventiva até lá, a eventual prisão dele ocorreria somente após essa última etapa, caso condenado.

O encontro desta segunda-feira com os ministros do governo acontece em meio à elevação da pressão do mandatário por mais resultados, após a queda na sua popularidade. Pesquisa divulgada pelo Ipec no início do mês mostrou piora nos índices de aprovação de Lula.

Consideram a administração ótima ou boa 33%, ante 38% na pesquisa anterior, realizada em dezembro de 2023. Outros 33% avaliam a gestão regular, e 32% veem como ruim ou péssima, uma oscilação positiva de dois pontos em relação aos dados anteriores.

Lula não mencionou o resultado dos levantamentos, mas acrescentou que ainda "falta muito para a gente fazer". Disse que seus ministros sabem que assumiram as pastas sob "escombros". E também indiretamente reclamou da comunicação do governo, ao pedir que os integrantes de sua equipe divulguem as ações.

"Todo mundo sabe também que ainda falta muito para gente fazer. Por mais que a gente tenha recuperado Farmácia Popular, Mais Médicos, por mais que a gente tenha feito clínica, a gente ainda tem muito para fazer em todas as áreas", afirmou o presidente.

"Se as pessoas não falam bem da gente, ou bem das coisas que a gente fez, nós é que temos que falar", afirmou, se dirigindo ao ministro Paulo Pimenta (Secretaria de Comunicação Social).

Lula então provocou um pouco a imprensa, pedindo que prestasse a atenção nos dados que seriam apresentados pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa. O chefe da pasta então realizou uma apresentação de mais de uma hora, em que teve um momento cômico, que arrancou risada dos demais.

Quando apresentava resultados relacionados com a área da Saúde, Rui Costa leu um bilhete que havia recebido, com um pedido de que realizasse a apresentação com mais entusiasmo.

"O presidente está pedindo que eu fale com mais entusiasmo aqui", leu o ministro, arrancando risadas dos demais. Na sequência, alguém acrescentou que foi o vice Geraldo Alckmin (PSB) que havia escrito o recado e não Lula.

"Foi o Alckmin que pediu para falar com mais entusiasmo aqui. Mas os números falam por si só aqui. Os números são muito expressivos", completou.

O Palácio do Planalto também busca responder à essa queda de popularidade, tendo em vista a realização das eleições municipais, em outubro.

Analistas apontam que a queda na popularidade do presidente Lula se deu em grande parte ao segmento evangélico. Além da ligação do ex-presidente Bolsonaro com esse público, Lula foi duramente criticado pela fala em que associou as ações de Israel na Faixa de Gaza com as do nazista Adolf Hitler.

Há duas semanas, o pastor Silas Malafaia organizou uma manifestação na Avenida Paulista, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: