X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

PT oficializa candidatura de Haddad ao governo de São Paulo

Convenção estadual do partido foi realizada na manhã deste sábado (23)

Victoria Azevedo, da Folhapress | 23/07/2022 12:50 h

SÃO PAULO, SP - O Partido dos Trabalhadores aprovou a candidatura do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) ao governo de São Paulo nas eleições de outubro em convenção estadual realizada na manhã deste sábado (23), em um auditório da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo).

Houve duas abstenções de membros da executiva estadual do PT durante a votação.

A legenda também aprovou a coligação com o PSB, oficializando o ex-governador Márcio França (PSB) como candidato à vaga ao Senado na chapa majoritária, e homologou a candidatura de seus candidatos à Câmara dos Deputados e à Assembleia.

O PT delegou ainda à executiva estadual da federação que reúne PT, PC do B e PV demais encaminhamentos relacionados à chapa e eventuais alianças.

Em seguida, será realizada a convenção da federação. O ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), que será vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência, vai comparecer. Lula não deverá participar.

O PT ainda não anunciou quem será vice de Haddad. Ao Senado, concorrerá Márcio França, que abriu mão de disputar o Palácio dos Bandeirantes para não fragmentar o voto da esquerda.

Na avaliação de petistas que atuarão na campanha de Haddad, a vaga da vice pode contribuir para passar a imagem de uma candidatura para além da esquerda e para conquistar uma parcela mais conservadora do eleitorado –e por isso avaliam que o melhor seria um candidato com perfil mais ao centro.

Estão cotados para vice do ex-prefeito nomes como a ex-ministra Marina Silva (Rede), que tem a predileção de Haddad segundo aliados do petista, e o ex-prefeito de Campinas Jonas Donizette (PSB).

Marina declarou apoio a Haddad em evento em São Paulo em junho. A ex-ministra, no entanto, já anunciou a sua pré-candidatura como deputada federal em São Paulo e é considerada pela Rede como uma potencial puxadora de votos.

O PSOL, que se diz excluído da negociação sobre a formação da chapa majoritária de Haddad, ameaça lançar um candidato ao Senado. PSOL e Rede formam uma federação.

A conferência eleitoral e convenção do PSOL em São Paulo estão marcadas para o próximo dia 30, em São Paulo.

A mais recente pesquisa Datafolha, divulgada em junho, mostra Haddad com 34%, e Tarcísio e Rodrigo empatados com 13% das intenções de voto.

Na quinta (21), na convenção nacional do partido, o PT aprovou por unanimidade o nome do ex-presidente Lula à Presidência e o de Alckmin para a vice na chapa nas eleições.

Como o jornal Folha de S.Paulo mostrou, o comando do PT constatou uma ofensiva do bolsonarismo em São Paulo e por isso Lula deverá fazer agendas com Haddad, Alckmin e França pelo estado.

Até a primeira quinzena de agosto estão sendo costuradas agendas de Lula em São Paulo, como um ato na USP (Universidade de São Paulo) e outro na região de Osasco.

Um ato na Baixada Santista também está sendo organizado pela equipe de Haddad. Ele deverá ser acompanhado de França e de Alckmin nas agendas.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS