Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Comissão vai decidir projeto que proíbe passageiros em pé no Transcol

Três comissões da Casa vão analisar proposta que anula a autorização para ônibus do Transcol durante a pandemia

Rodrigo Péret, do jornal A Tribuna | 15/02/2022 14:03 h

Deputados no plenário da Assembleia: proposta irá a votação pelos parlamentares caso aprovada nas comissões
Deputados no plenário da Assembleia: proposta irá a votação pelos parlamentares caso aprovada nas comissões |  Foto: Ellen Campanharo/Ales
 

Um projeto de decreto legislativo (PDL) que tramita na Assembleia Legislativa quer anular ato das secretarias de Estado da Saúde (Sesa) e de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi) que autoriza o transporte de passageiros em pé nos ônibus do sistema Transcol.

A proposta é do deputado Carlos Von (Avante). Ela chegou a ter um requerimento de regime de urgência rejeitado, e foi encaminhada para análise das comissões de Justiça, Saúde e Finanças para que seja gerado parecer técnico. Se aprovada nos colegiados, ela será encaminhada para votação dos deputados em plenário.

A proposta tem como objetivo revogar a portaria 2-R, de 21 de janeiro deste ano, que revogou outra portaria, a 149-R, de 29 de julho de 2020, que determinava que as viagens no Transcol só poderiam acontecer com todos os passageiros sentados. Com isso, a portaria de 2020 voltaria a ser válida. 

Outro trecho da 149-R diz que a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb) deve dimensionar as linhas, viagens e frota do Transcol para operar com capacidade superior à demanda de passageiros, com o objetivo de preservar um distanciamento social mínimo dentro dos ônibus.

“Exatamente na contramão dos anseios da população, o governo do Estado tomou a medida de liberar a circulação de passageiro em pé no transporte público, com consequência a diminuição da frota de ônibus circulando”, justificou Carlos Von em sua proposta. 

Para ele, é necessária a “imposição de medidas de restrição de circulação populacional focalizadas nos ambientes público-coletivos que importem elevado grau de contaminação interpessoal por covid-19”. Ele também reforçou que outras doenças virais têm afetado a população, com apresentação de quadros clínicos graves.

Questionadas pela reportagem, tanto a Sesa como a Semobi não deram retorno até o fechamento desta edição.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS