X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Casagrande diz que “Estado está à disposição para discutir medidas para reduzir preço de combustíveis”

| 05/02/2020 16:14 h | Atualizado em 05/02/2020, 16:31

Após o presidente Jair Bolsonaro dizer que aceitaria zerar os tributos federais que incidem sobre os preços dos combustíveis se os governadores acabarem com a cobrança de ICMS nos estados, o governador Renato Casagrande afirmou que o Espírito Santo está à disposição para discutir medidas que possam reduzir os preços nas bombas.

No início da semana, Bolsonaro responsabilizou os governadores pelo fato de as reduções nos preços nas refinarias não serem repassadas ao consumidor, citando a cobrança de ICMS como principal fator para a alta dos preços.

Em postagem no Twitter na tarde desta quarta-feira (5), Casagrande afirmou que a composição do preço dos combustíveis é de responsabilidade do governo federal, por meio da Petrobras.

“Entretanto, o Espírito Santo está à disposição da União para discutir e construir, de forma técnica, equilibrada e responsável com as contas públicas, medidas que possam reduzir o preço nas bombas”, escreveu o governador.

Pela manhã, Bolsonaro desafiou os governadores acerca do tema. “Eu zero o federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito”, disse o presidente.

A declaração veio após governadores de 23 estados assinarem carta pedindo que a União abra mão dos impostos que incidem sobre os combustíveis, após o presidente responsabilizar os governadores por conta dos preços.

Segundo o secretário de Estado da Fazenda do Espírito Santo, Rogelio Amorim, o governo estadual tem interesse em discutir soluções para os preços dos combustíveis, desde que haja responsabilidade para manter o equilíbrio fiscal.

“Tomar decisões populistas sem avaliar o reflexo disso nas contas pode acabar gerando prejuízo. A arrecadação dos estados, municípios e da União é fundamental para execução das políticas públicas de saúde, segurança e educação. O que precisamos é de um debate responsável com o devido respaldo técnico”, disse o secretário.

Leia mais:

Bolsonaro diz que zera impostos federais se governadores zerarem ICMS

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS