X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Bolsonarista que hostilizou enfermeiras é preso por atirar fogos no STF

| 15/06/2020 06:43 h | Atualizado em 15/06/2020, 13:06

Renan da Silva Sena
Renan da Silva Sena |  Foto: Reprodução/Facebook
A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu neste domingo (14) Renan da Silva Sena, identificado como um dos suspeitos do lançamento de artefatos explosivos contra o prédio do Supremo Tribuna Federal.

O ataque aconteceu durante uma manifestação na Praça dos Três Poderes, em Brasília, depois que o governo do Distrito Federal desmontou um acampamento de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, no sábado (13).

Sena também é acusado de fazer ameaças contra a integridade física do governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB).

O presidente do STF, Dias Toffoli, resolveu representar contra Renan da Silva Sena e outros envolvidos que forem identificados. Em ofícios encaminhados ao diretor-geral da PF, Rolando Alexandre de Souza, e ao secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres, na noite deste domingo (14), Toffoli exige a responsabilização penal dos manifestantes que direta ou indiretamente patrocinaram ataques ao STF.

O presidente da corte aponta Renan da Silva Sena como um dos autores do ataque ao prédio da instituição. Ele aparece em vídeos divulgados nas redes narrando a ação dos manifestantes e atacando membros do STF.

Renan Sena ganhou notoriedade após agredir enfermeiras que protestavam contra o governo na Praça dos Três Poderes no dia 1º de maio. O bolsonarista era funcionário terceirizado do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e foi exonerado após o incidente.

Nas redes sociais, Renan costuma fazer publicações em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ataques ao STF, Congresso e a governadores.

A Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos do Distrito Federal vai investigar todas as ações na internet do grupo de direita vinculado a Renan Sena. A Polícia do DF identificou Sena como um dos manifestantes do ato de sábado contra o STF.

"Isso aqui é para o senhor Ibaneis Rocha, por ter fechado os acampamentos na Esplanada. Isso aqui não são fogos de Copacabana, é a revolta", disse Renan Sena em vídeos em que narrava os fogos contra o prédio do STF.

No dia 1º de maio, Sena também foi flagrado agredindo uma enfermeira que participava de um ato a favor do isolamento social.

No fim da noite de domingo, ele foi solto.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS