X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

'Vai haver guerra', diz sobrevivente de ataque a indígenas

| 08/12/2019 08:47 h | Atualizado em 08/12/2019, 17:10

Sobrevivente do ataque a tiros no dia 1º de novembro na terra indígena Arariboia, no Maranhão, o "guardião da floresta" Laércio Guajajara, 34, está sob proteção do governo estadual numa cidade maranhense. Sua localização é mantida em segredo.

Ele tem uma bala alojada no corpo e disse à Folha de S.Paulo que vai haver "guerra" se a Justiça não tomar providências para conter a invasão da Arariboia.

O indígena Paulo Paulino, 26, também "guardião", foi assassinado com um tiro no ataque de novembro.

Laércio narrou à reportagem sua trajetória e a situação tensa na região.
 

"Nasci na aldeia do Funil, em Arariboia. Tenho três filhos.

Eu tinha uns 16 anos quando ocorreu o assassinato do cacique Tomé [por madeireiros].

Eu não tinha muito interesse em lutar, mas depois que houve isso me deu uma vontade de ajudar na proteção da terra.

Eu via a exploração da terra. Muito caminhão saindo com madeira, com estacas, muita destruição.
Quando começaram os "guardiões", em 2013, eu me senti forte. Já estava com idade para lutar. Desde o início já começaram as ameaças. Participei da primeira ação dos "guardiões".

Ocorreu depois que a gente foi à Funai pedir para eles nos ajudarem a defender a terra. Aí algum deles lá falou que a nossa terra "não tinha mais jeito", que era para nós "largar de mão porque já era considerada perdida".

Foi quando a gente ficou com muita raiva e decidiu que ia mostrar que na nossa terra também tinha guerreiro e não ia ser perdida como eles estavam dizendo.

A primeira ação foi nas aldeias Mucura e Bacabal, ao mesmo tempo. Pegamos dois caminhões. No primeiro dia quase teve conflito.

Chegamos a pé e numas motinhas velhas. Éramos apenas seis no máximo.O Paulino também começou nesse dia. Quando abordamos os caminhões, ele chegou. Ele era muito criança [cerca de 15 anos] mas chegou com flechas e todo pintado. Não precisou chamar nem convidar ele.

Ele já teve essa atitude de guerreiro desde menino e nunca mais se separou da gente. Eu também estava com flecha, borduna, espingarda.

A minha vida de lá para cá mudou muito. Não tive mais liberdade para nada, nem de sair do território. A gente evita sair, é ameaçado de morte.

Sempre que um índio procura defender sua terra, vai ser procurado até ser morto pelos pistoleiros.

Isso não vai acabar se a Justiça não tomar de conta. Vai é piorar mais. Acho que vai ter uma guerra no futuro com o branco. Porque nós não vamos entregar nossa terra para eles destruírem. E eles não vão querer desistir de roubar o que é nosso.

Nós sempre falamos que nunca vamos desistir. Porque mais uma vida de um guerreiro foi matada dentro do território por defender a terra. Isso traz muita revolta para nós.

Se não tiver Justiça, nós vamos continuar a guerra mesmo se matando com os brancos".

Leia também: Dois indígenas são mortos em atentado

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS