Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Toque de recolher em Cariacica após morte de tatuador

| 08/10/2020 15:50 h | Atualizado em 08/10/2020, 15:56

Ação da polícia no bairro Rio Marinho em Cariacica
Ação da polícia no bairro Rio Marinho em Cariacica |  Foto: Jaciele Simoura

No final da manhã desta quinta-feira (8) um jovem foi morto após reagir contra a polícia, no bairro Rio Marino, em Cariacica. Robson Pablo Loretti Valadares, 32, estava em uma rua junto com outras duas pessoas quando os policiais estavam detendo um homem que carregava drogas.

De acordo com a polícia, Robson foi morto após um confronto com dois militares que estavam efetuando a detenção de uma pessoa em posse de entorpecentes. Uma terceira pessoa, que ainda não foi identificada, chegou a levar um tiro na barriga.

Os policiais contaram que estavam em patrulhamento na região, quando avistaram um indivíduo com drogas. Ao fazer a abordagem, a jovem de 20 anos, que não foi identificada, tentou correr, mas foi algemada.

Enquanto levavam a detida para a viatura, um dos PM tentou fazer a abordagem nos dois homens que estavam com a menina, neste momento, a vítima teria dado um mata leão no policial, que caiu no chão. Foi quando começou o confronto.

A polícia conta ainda que o tatuador tentou pegar na arma do policial, que efetuou disparos. Um acertou a barriga de um dos homens e outro acertou a cabeça do tatuador.

Enquanto acontecia a confusão, a jovem, mesmo algemada, conseguiu fugir e o segundo policial começou uma busca por ela. Moradores da região contam que ouviram cerca de seis disparos. Um morador chegou a vê a confusão e confirmou a versão da polícia.

O pai de Robson, um pedreiro que não vai ser identificado, não acredita nessa versão, pois, de acordo com eles, não havia arma com o filho e não havia motivo para o policial ter atirado na cabeça do filho.

“Porque não atirar na perna, no braço. Deram um tiro de misericórdia na cabeça do meu filho”, comentou o pai.

Segundo a família, Robson tinha passagens pela polícia, mas não era ligado ao tráfico de drogas. O tatuador deixa seis filhos.

Toque de recolher
Após a morte do tatuador, um grupo de oito indivíduos desceram até o bairro Bela Vista para dar um toque de recolher em comércios da região em represália.

Eles chegaram a abordar dois comércios, até a chegada de uma guarnição, que percebendo a situação, chamou apoio e abordaram o grupo. Os oito foram conduzidos até a Delegacia Regional de Cariacica.

Com medo, os comerciantes da rua principal do bairro Rio Marinho fecharam as portas. Ninguém quis conversar com a reportagem.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS