X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

R$ 26 milhões são identificados em vendas de celulares por empresas laranjas


Foram identificados, nesta quarta-feira (23), a movimentação de R$ 26 milhões em vendas de telefones celulares, todas realizadas por empresas laranjas. O esquema ilegal foi constatado por Auditores fiscais da Secretaria da Fazenda (Sefaz), durante a operação "Ligação Obscura", focada na venda de telefones celulares sem notas fiscais. 

Os R$ 26 milhões foram movimentados por 21 empresas, do início do ano passado até agora. A maior parte das empresas está localizada na Grande Vitória. São quatro em Cariacica, três em Vila Velha, três na Serra e duas em Vitória.

"Foi verificado que as empresas faziam a emissão de notas fiscais falsas para que outras lojas fizessem a regularização da mercadoria", explicou a auditora fiscal da Receita Estadual, Mila Nogueira Dessaune, que participou da ação.

"Esse esquema é completamente ilegal. As notas fiscais emitidas pelas empresas laranjas são consideradas documentos inidôneos, portanto falsos", acrescentou Mila Dessaune. As 21 empresas terão suas inscrições estaduais cassadas.

Além das empresas laranjas, a Operação vistoriou lojas e distribuidoras de celulares localizadas em Vitória e Vila Velha, onde foi feita a apreensão de 221 celulares smartphones, entre outros equipamentos eletrônicos, como tablets, relógios e caixas de som. O valor das mercadorias apreendidas gira em torno de R$ 450 mil. Já a multa para as empresas que vendiam os produtos sem nota fiscal vai superar os R$ 150 mil.

"Essa operação ainda terá outros desdobramentos. Vamos checar o histórico de venda das empresas laranjas, analisar com quem elas comercializavam e aumentar as auditorias sobre as companhias que tinham relações comerciais com essas que cometiam as fraudes", disse o auditor fiscal e gerente Fiscal, Arthur Nunes.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: