X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Polícia pede interdição de creche para cães após denúncias de maus-tratos

| 24/10/2020 12:13 h | Atualizado em 24/10/2020, 12:58

Cão é segurado pelo pescoço e depois solto
Cão é segurado pelo pescoço e depois solto |  Foto: Reprodução de vídeo
A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (DPMAP) da Polícia Civil concluiu o inquérito sobre maus-tratos contra animais e pediu a interdição de uma creche para cães com unidades em Vitória e Vila Velha.

O pedido de interdição, segundo a polícia, é motivado por falta de alvará e responsável técnico.

A investigação teve início após circularem pelas redes sociais vídeos de um ex-funcionário segurando um cachorro pelo pescoço e atirando um objeto em outro animal.

A Polícia Civil também indiciou o acusado e a proprietária da creche. "A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (DPMAP) concluiu as investigação dos maus tratos ocorridos no estabelecimento MyPets, pedindo a interdição das duas unidades de Vitória e Vila Velha, por falta de alvará e responsável técnico. O procedimento foi encaminhado à justiça indiciando o agressor e a proprietária do estabelecimento", diz a nota da Polícia Civil.

No primeiro vídeo, o rapaz teria dito “Essa cachorra me odeia. Cala a boca!” e jogado um brinquedo na direção da cadela da raça Spitz Alemão, que sai correndo.

No outro vídeo, o acusado se filmou segurando um cão da raça Pinscher pelo pescoço enquanto o animal se debatia. “Fica latindo o dia inteiro, estou ficando doido!”, disse o ex-funcionário sobre o cachorro.

Na época da denúncia, a proprietária do local, Lorença Ferreira, informou que registrou um boletim de ocorrência contra o ex-funcionário na 2ª Delegacia Regional de Vila Velha.

Ela afirmou para a polícia que o rapaz trabalhou no local durante um mês e havia sido demitido 15 dias antes dos vídeos serem divulgados. A creche alegou que o homem foi indicado por duas pessoas conhecidas e passou por um período de experiência na empresa.

“Tivemos problemas com ele por vários motivos, mas nunca imaginamos que ele teria coragem de fazer uma coisa dessas”, afirmou a proprietária do estabelecimento em uma série de vídeos nas redes sociais.

"Eu vou garantir que ele pague pelo que ele fez. Eu vou até o fim. Quero que ele vá pra cadeia. Estamos revoltados. Não tivemos conivência com isso. Graças a Deus estamos recebendo muito apoio dos nossos clientes". afirmou Lorença.

CPI dos Maus-Tratos 

A CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais vai pedir ao Ministério Público que ofereça denúncia por prática de crime de maus tratos contra o ex-funcionário e a responsável pela My Pets Hotel e Creche.

Na cópia do inquérito policial, encaminhada ao Ministério Público de Vila Velha, que a CPI teve acesso, além do pedido de indiciamento dos responsáveis, a interdição das duas unidades da empresa, ainda foi solicitado o impedimento dos administradores de manterem guarda de animais até julgamento final do processo.

Um laudo técnico, emitido por médico veterinário do Conselho Regional de Medicina Veterinária, comprovou a materialidade do crime de maus-tratos.

Cadela sai correndo após ex-funcionário atirar brinquedo
Cadela sai correndo após ex-funcionário atirar brinquedo |  Foto: Reprodução de vídeo
“Nosso trabalho é incessante, com o objetivo de não deixar nenhum caso de maus-tratos impune no nosso Estado. Os vídeos que circularam nas redes sociais no início da semana, causaram imensa comoção social. Agora vamos pedir ao MP que ofereça denúncia contra os indiciados. De acordo com testemunhas ouvidas pela polícia civil, em apenas 05 meses de funcionamento a My Pets foi alvo de diversas denúncias de tortura animal e uma morte do cão OREO por ação/omissão atribuídos a monitores e responsável pela empresa. O local também não possuí alvará de funcionamento definitivo, o que não oferece segurança aos animais que ali são deixados pelos seus tutores”, declarou a presidente da CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais, deputada Janete de Sá (PMN).

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS