X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

Polícia investiga outro caso de morte após furto em supermercado de Salvador


A Polícia Civil da Bahia apura o caso de uma adolescente que foi morta após ter cometido furto no Atakadão Atakarejo do bairro de Amaralina em Salvador.

Imagem ilustrativa da imagem Polícia investiga outro caso de morte após furto em supermercado de Salvador
|  Foto: Pixabay

O caso ocorreu em outubro de 2020, em circunstâncias semelhantes às mortes de Bruno Barros da Silva, 29, e seu sobrinho, Yan Barros da Silva, 19.

Bruno e Yan foram flagrados por seguranças furtando pacotes de carne no Atakadão Atakarejo no dia 26 de abril. No mesmo dia, ambos foram encontrados mortos no porta-malas de um carro com tiros e sinais de tortura.

O supermercado Atakarejo não registrou boletim de ocorrência do furto. A principal suspeita é que tio e sobrinho tenham sido entregues pelos seguranças do supermercado a traficantes do bairro, que os executaram.

Nesta segunda-feira (10), sete pessoas, incluindo três seguranças e quatro supostos traficantes, foram presas temporariamente por suspeita de envolvimento nas mortes de Bruno e Yan.

O caso semelhante, de outubro do ano passado, envolveu duas jovens. Elas teriam cometido um furto no Atakadão Atakarejo de Amaralina e terminaram sendo entregues a traficantes locais e brutalmente agredidas. Uma sobreviveu, mas a outra não resistiu aos ferimentos e morreu.

A delegada Andréa Ribeiro, diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, informou que há outro inquérito em curso apurando as circunstâncias da morte da adolescente e a possível ligação entre os dois crimes.

"A gente conseguiu apurar que muitos dos indivíduos que teriam participado dessa ação mais recente teriam participado da ação do ano passado. Isso para a gente está confirmado", afirmou delegada.

Ela ainda afirmou que havia uma espécie de padrão na conduta dos seguranças: "A gente começou a perceber que a ação era algo muito padrão com aquele grupo de segurança".

A delegada-geral da Polícia Civil da Bahia, Heloísa Campos de Brito, afirmou que a polícia está atenta à possível participação do Atakarejo, por meio de seus seguranças, no crime. "É muito latente a responsabilidade da empresa", disse.

De acordo com delegada Andréa Ribeiro, ainda não é possível afirmar se havia um direcionamento do comando da rede de supermercados para que pessoas que cometessem furtos no local fossem entregues a traficantes.

Ela disse que "tudo indica" que houve participação do gerente de segurança da unidade do Atakarejo de Amaralina no desfecho do caso que resultou na morte de Bruno e Yan.

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia deflagrou na manhã desta segunda-feira a Operação Retomada, que resultou na prisão de sete pessoas, incluindo três seguranças.

A Polícia Civil não informou se os seguranças fazem parte do quadro de funcionários do Atakarejo ou da empresa de segurança que presta serviços ao supermercado.

A operação policial teve a participação de cerca de 200 policiais civis, militares, agentes da inteligência da Secretaria de Segurança Pública e do Departamento de Polícia Técnica.

Foram realizadas incursões em Salvador, nos bairros do Nordeste de Amaralina, Mata Escura e Fazenda Coutos, e na cidade de Conceição do Jacuípe. Um mandado de busca e apreensão foi cumprido na sede do Atakadão Atakarejo, onde foram apreendidos computadores e outros equipamentos.

O caso está sendo acompanhado pelo Ministério Público do Estado da Bahia, pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa da Bahia e pela seccional local da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Em nota divulgada nesta segunda-feira, o Atakarejo informou que "não comenta decisões judiciais e vai continuar colaborando com as autoridades competentes para que o fato policial seja esclarecido o mais rapidamente possível".

Em outra nota divulgada na semana passada, dez dias após o assassinato de Bruno e Yan, o Atakarejo informou que "repudia o fato ocorrido e manifesta total solidariedade às famílias das vítimas".

Também informou que uma sindicância interna decidiu pelo afastamento dos seguranças até que os fatos sejam esclarecidos.

"A empresa reafirma o compromisso com o seu código de ética e conduta e que jamais irá tolerar qualquer ato de violência."
Na terça-feira (4), o secretário da Segurança da Bahia, Ricardo Mandarino, reconheceu que há componentes de racismo e de ódio nas mortes de Bruno e Yan.

"Trata-se de um delito resultado desse conceito vil, tosco, desumano, deturpado de que 'bandido bom é bandido morto'. Há, nessa ação abjeta, um componente forte de racismo estrutural e ódio aos pobres. Na cabeça dessa gente torpe, todo pobre e preto é bandido", afirmou o secretário.

Nesta segunda-feira (10), Mandarino afirmou que o governo da Bahia não vai tolerar assassinatos cometidos por um poder paralelo.

Entidades do movimento negro de Salvador têm realizado protestos cobrando apuração do crime e punição para os culpados.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: