X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pintor tenta salvar irmão e é assassinado

| 11/06/2020 12:12 h | Atualizado em 11/06/2020, 12:37

Danilo da Cunha Rangel tinha acabado de chegar na casa do irmão
Danilo da Cunha Rangel tinha acabado de chegar na casa do irmão |  Foto: Acervo familiar
Um pintor de 24 anos foi morto enquanto tentava salvar o irmão de criminosos, no bairro Ilha das Flores, em Vila Velha, na madrugada desta quinta-feira (11). Danilo da Cunha Rangel tinha acabado de chegar na casa do irmão, que tinha sido invadida por homens armados, quando foi baleado.

O caso começou durante a madrugada, por volta das 2h20. Familiares da vítima, que não quiseram se identificar, contaram que o irmão mais novo dele, de 22 anos, estava em casa dormindo quando dois suspeitos invadiram o local.

Um dos criminosos estava armado. Eles reviraram a casa em busca do irmão de Danilo, que conseguiu fugir, pulando por uma janela do segundo andar. Na queda, ele chegou a quebrar o pé, mas conseguiu se esconder.

Quando ficou sabendo da confusão, Danilo pegou a moto e foi até o local, na tentativa de salvar o irmão. Mas, quando chegou na esquina da Travessa Hermínio Lima, ele foi baleado. Os tiros atingiram o tórax, antebraço direito, ombro direito e o pescoço.

Ilha das Flores, em Vila Velha
Ilha das Flores, em Vila Velha |  Foto: Júlia Afonso

Danilo ainda foi socorrido pela família até o Hospital Estadual Antônio Bezerra de Faria, mas não resistiu aos ferimentos. De acordo com a polícia, no bolso da vítima foi encontrada uma munição de calibre 12. Ele deixou uma filha de 4 anos.

Familiares de Danilo afirmaram que nenhum dos irmãos tinha envolvimento com o tráfico. No entanto, os criminosos teriam invadido a residência por conta de uma briga antiga entre grupos rivais da região. Os parentes não souberam dar detalhes sobre os motivos dessa discussão.

Abalados, eles contaram que Danilo era uma pessoa querida. “Era carinhoso, trabalhador, e cuidava muito bem da filha. Eles eram muito apegados, nem sei como vamos contar para ela”, relatou a avó da vítima, sem se identificar.

O caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha, e, até a publicação desta matéria, ninguém tinha sido preso.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS