X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pedreiro é morto a tiro após se render em assalto na Serra

| 24/10/2020 09:57 h | Atualizado em 24/10/2020, 11:13

O pedreiro Josias dos Passos Lírio, de 53 anos
O pedreiro Josias dos Passos Lírio, de 53 anos |  Foto: Acervo familiar
Um crime covarde chocou todo o bairro de Jardim Bela Vista, na Serra. Depois de reagir a um assalto em uma distribuidora de bebidas, o pedreiro Josias dos Passos Lírio, de 53 anos, levou um tiro no olho e morreu. O criminoso disparou contra a vítima mesmo depois dela já ter se rendido.

O caso aconteceu na noite de sexta-feira (23). Josias estava bebendo no balcão da distribuidora quando dois bandidos entraram. "Eles anunciaram o assalto, colocaram a arma na minha cara mandando eu levantar a camisa para verem se eu estava armado", disse o dono do estabelecimento, de 25 anos, sem se identificar.

Os dois pegaram o dinheiro que estava no bolso do empresário, cerca de R$ 1.800, uma garrafa de whisky e várias carteiras de cigarro. Enquanto estavam pegando os itens, Josias reagiu. "Ele entrou em luta corporal com um deles dizendo que eles não iam roubar o amigo dele, que era eu", explicou o empresário.

Imagens de videomonitoramento da loja mostraram toda a ação: o pedreiro parte para cima de um dos criminosos. Eles lutam até a saída da loja, onde Josias se rende. O bandido volta até a distribuidora, rouba mais cigarro e, na saída, atira no olho da vítima.

Josias usava camisa branca e bermuda azul
Josias usava camisa branca e bermuda azul |  Foto: Reprodução de vídeo

"Foi uma covardia fazer isso com uma pessoa indefesa, tomada pelo álcool. Dar um tiro à queima-roupa na cara do cidadão mesmo ele já tendo se rendido. Isso é revoltante. Estou sem reação, perplexo e com muito ódio no coração por causa dessa bandidagem que está a solta amedrontando a gente", ressaltou o empresário.

Josias, mais conhecido como Cacá, era vizinho da distribuidora. Ele chegou a ser socorrido por familiares, mas não resistiu. Querido por todos no bairro, o clima na região era de luto. "Era gente boa, honesto, trabalhador. A gente está chocado com o que aconteceu", lamentou um porteiro, de 63 anos, vizinho da vítima.

O corpo será velado na casa do pedreiro. Já o enterro vai acontecer em Colatina, no Norte do Estado. 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS