X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Mulheres presas por fazer “frete dos fios”

Na carroceria de picape, elas levavam sacolas com cobre extraído da queima de fios. Uma delas ensinava passo a passo nas redes sociais

Roberta Bourguignon, do jornal A Tribuna | 16/07/2022 09:42 h

Duas mulheres que faziam o frete de fios roubados foram presas em flagrante quando chegavam com a mercadoria furtada em um ferro-velho de Guarapari. 

Segundo a polícia, veículo  era utilizado pelas criminosas no transporte do material furtado
Segundo a polícia, veículo era utilizado pelas criminosas no transporte do material furtado |  Foto: Roberta Bourguignon
 

Na carroceria da picape, as mulheres levavam várias sacolas com cobre extraído da queima de fios. Uma delas ensinava nas redes sociais como fazer a extração do cobre sem que ele seja prejudicado.  

As apreensões fazem parte de um desdobramento da operação da Polícia Civil para apreender material furtado em ferros-velhos no Estado, que levou os investigadores da Delegacia de Infrações Penais e Outros (Deic) de Guarapari a autuar as mulheres por receptação. 

“Nós as  identificamos como receptadoras que adquirem metais furtados de dependes químicos, os processam e transportam até os receptadores de maior porte, que vendem para as empresas siderúrgicas”, explica o delegado Guilherme Eugênio, titular da Deic. 

Somente em Guarapari, a polícia apreendeu mais de duas toneladas de cobre em diferentes ferros-velhos na cidade, e quase 30 toneladas de trilhos de trem que foram roubados em Vargem Alta. 

“No caso dos trilhos de trem, a identificação foi feita por uma empresa subsidiada da Vale Siderúrgica que atua na cidade de Vargem Alta. A quantidade é tão grande que o caminhão que foi enviado pela empresa para recolher o material não deu conta e outro veículo deverá ser enviado para fazer a recuperação dos trilhos”, esclarece o delegado.  

O casal dono do ferro-velho ainda não foi localizado pela polícia para dar esclarecimentos, mas na tarde de ontem, uma advogada esteve no local para receber a intimação e repassar para   seus clientes.

Com o levantamento das investigações, o delegado acredita que Guarapari produz de um a dois caminhões de metais por dia. 

Os metais como ferro ou aço, alumínio e cobre são de aparelhos de ar-condicionado, portões, portas, janelas, placas, tampas de bueiro, peças de veículo e, sobretudo, fios que vêm sendo furtados aos montes, descaracterizados e vendidos como sucata nos ferros-velhos.  

“Temos ocorrência de um caminhão da Prefeitura de Guarapari que foi cortado em três partes para a venda nesses sucatões, e até o Corpo de Bombeiros chegou a pedir ajuda desta unidade policial recentemente devido ao constante furto de hidrantes. Vamos continuar no combate a esse tipo de crime”, finaliza o delegado.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS