X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Motoboys de aplicativos de comida depredam casa e carro de cliente

| 25/02/2021 18:05 h | Atualizado em 25/02/2021, 18:29

Um vídeo que circula das redes sociais mostra um grupo de motociclistas que trabalham com entregas para aplicativos de comida invadindo uma casa e depredando o carro do morador.

Nas imagens, é possível ver que 15 motoboys estão reunidos em frente a uma casa e começam a depredação. Os entregadores derrubaram o portão da garagem da residência. Na sequência, quando o portão é arrombado, eles entraram e vandalizaram o veículo que estava no local. Veja o vídeo:

Em postagens nas redes sociais, motoboys disseram que o morador da casa é um cliente que aplica golpes para não pagar pelas compras. De acordo com eles, para fazer isso o homem registrava nos aplicativos que não havia recebido os pedidos, apesar de as entregas terem ocorrido. O caso aconteceu em Bauru, São Paulo no último domingo (21).

Motoboys de app destroem portão de cliente após supostos golpes
Motoboys de app destroem portão de cliente após supostos golpes |  Foto: Reprodução/Instagram
Muitos dos motoboys justificaram a atitude extrema como represália ao usuário dos aplicativos que estaria aplicando o golpe de informar que não foi feita a entrega para não pagar. O fato teria causado uma “negativação” de entregadores pelo aplicativo, que acabaram excluído de novas entregas.

O dono do imóvel não foi encontrado para comentar o ataque. A Polícia Civil explicou que ainda não há Boletim de Ocorrência registrado, que é o que inicia uma investigação.

Em nota, o Sindimoto garantiu que vai apurar os fatos e desfiliar do sindicato quem tiver participado das agressões.

O sindicato acrescentou que repudia quaisquer "atos de vandalismo praticados contra patrimônio público ou privado de qualquer natureza bem como racismo e de apologia à violência".

Nota dos aplicativos
Em nota, o iFood esclareceu que repudia qualquer ato de violência e, ao tomar conhecimento de relatos como este, apura a ocorrência e toma as medidas cabíveis.

A empresa disse no texto diz que “trabalha constantemente para dar mais clareza sobre sua política de desativação de usuários e que essa medida só é tomada quando há descumprimento dos termos e condições de utilização da plataforma, como casos de extravio, fraudes de pagamento e cessão de contas a terceiros.

O iFood reiterou que o parceiro de entrega (motoboy) não tem acesso às avaliações feitas individualmente pelos clientes. Por meio do app iFood para Entregador, é possível visualizar apenas a quantidade total de avaliações e o teor (positivo ou negativo).

A empresa informou que “está à disposição para colaborar com a investigação do caso e aguarda mais informações das autoridades responsáveis para apurar internamente e tomar as providências cabíveis”.

Também em nota, a empresa Rappi informou que os bloqueios na plataforma são restritos ao não cumprimento dos Termos e Condições previamente informados no momento do cadastro e que há um canal dentro do app do entregador parceiro para que eles possam ser revistos.

Ao abrir o ticket, o entregador parceiro pode descrever detalhadamente o caso e colocar tudo o que achar pertinente: número de pedidos, prints de chats ou WhatsApp – tudo pode ser enviado para a Central de Ajuda revisar a situação.

A Rappi ressaltou também que os entregadores parceiros (motoboys) não têm acesso aos nomes dos usuários que fazem as avaliações das entregas, sejam elas positivas ou negativas. “O processo é completamente sigiloso e apenas o time interno do Rappi pode visualizar as informações”, disse o texto.

As informações são do G1.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS