X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Mistério na morte de ambientalista

| 21/10/2020 10:00 h | Atualizado em 21/10/2020, 13:42

 Luciana Antonini, de 59 anos
Luciana Antonini, de 59 anos |  Foto: Acervo familiar
A morte de Luciana Antonini, de 59 anos, está cercada de mistérios. O corpo dela foi encontrado na manhã de sábado, sem roupas, na areia da Praia dos Castelhanos, em Anchieta, litoral Sul do Estado. A família afirma que a mulher não tinha inimigos.

A Polícia Civil segue com as investigações, e até o momento a causa da morte não foi confirmada. Luciana morava na cidade há cerca de quatro anos.

Ela falava três idiomas, era ativista, socióloga, ambientalista e mestre em ciências humanas com especialização em Meio Ambiente, pela Universidade de São Paulo (USP).

Na noite de sexta-feira, Luciana foi vista pela última vez em bares no centro. Ao ser encontrada morta e nua, os moradores ficaram surpresos.

“Todos a viam como uma pessoa tranquila. Sempre almoçava em bons restaurantes, tomava café nas padarias. Pela manhã, sempre pegava seu notebook, ia para a padaria, tomava café e ficava ali cerca de duas horas, contou o radialista Anilson Ferreira, que é assessor parlamentar em Anchieta, e costumava conversar com Luciana, que era carinhosamente chamada de Lucianinha.

“A noite ela frequentava bares sempre sozinha e nesses locais sempre debatia sobre diferentes assuntos. Ela gostava de debater sobre política, e era uma defensora do meio ambiente”, concluiu.

No sábado, a Prefeitura de Anchieta emitiu uma nota sobre o caso, e lamentou o ocorrido, informando ainda que “esperamos agilidade na elucidação do caso e abominamos qualquer tipo de violência, em especial a violência contra a mulher”.

Praia de Castelhanos, em Anchieta, onde corpo foi encontrado
Praia de Castelhanos, em Anchieta, onde corpo foi encontrado |  Foto: Anilson Ferreira

A Polícia Civil informou que diligências estão em andamento. Até o momento, a causa da morte não foi confirmada. Segundo a PC, o corpo da ambientalista não tinha sinais de violência. Uma das linhas de investigação é afogamento.

A Polícia Civil destacou ainda que a população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181, que também possui um site em que é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas.

O anonimato é garantido, e todas as informações fornecidas são investigadas”.

Família não acredita em crime

A família teve conhecimento da morte de Luciana Antonini um dia após o corpo ter sido encontrado na praia. Parte dos familiares mora em São Paulo e outros, no Rio de Janeiro.

O atestado de óbito entregue à família aponta que a causa da morte de Luciana foi afogamento, e informou ainda que ela tinha um corte de 10 cm na cabeça.

“Não acredito em crime. Acredito que ela possa ter morrido afogada. Pode ter batido a cabeça no meio-fio. Ela era uma socióloga, com alma cigana que pode ter decidido tomar banho nua à noite”, disse o tio de Luciana, o fotógrafo Ronaldo Câmara, 76 anos, que mora no Rio. Ele disse ainda que a família soube da morte por amigos.

“A irmã e uma tia seguiram para Cachoeiro para reconhecer o corpo. Buscamos uma maneira de cremar, mas descobrimos que há somente um crematório no Espírito Santo, e quis cobrar R$ 12 mil. Então tivemos de enterrar em Cachoeiro mesmo, onde ela também já tinha morado.
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS