X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Missionária pula em cima de criança durante tiroteio e acaba baleada em Vila Velha

| 18/03/2021 12:58 h

Em um ato de amor e coragem, uma auxiliar de serviços gerais, de 36 anos, se jogou no chão em cima de uma criança de 8 anos, no meio de um tiroteio em Ulisses Guimarães, Vila Velha, na noite de quarta-feira (17). Na intenção de proteger o filho da amiga, ela acabou levando um tiro na perna.

A auxiliar, uma faxineira de 26 anos e o filho dela estavam voltando de uma igreja em Jabaeté, a caminho do bairro 23 de maio. Enquanto passavam pela rua Tancredo Neves, eles acabaram ficando no meio de uma troca de tiros.

“Teve o primeiro disparo. Ouvimos mais três e eu falei para a gente correr. Mas depois começaram muitos tiros, então achei melhor a gente deitar no chão”, lembrou a auxiliar, que preferiu não se identificar.

Ela, que também é missionária, começou a orar com a amiga enquanto tentavam se esconder dos disparos. Assustado, o menino de 8 anos se levantou no meio dos tiros. “Na hora eu puxei o menino para baixo e me joguei em cima dele, para protegê-lo. Nesse momento eu fui atingida”, revelou.

Vítima foi baleada na perna ao proteger criança
Vítima foi baleada na perna ao proteger criança |  Foto: Fábio Nunes/ AT/ 18/03/2021

Segundo testemunhas, o tiroteio aconteceu porque gangues rivais do tráfico se encontraram. “Acho que o tiro ia pegar na criança e acabou pegando em mim. Graças a Deus não feriu ele nem a minha amiga”, ressaltou a vítima.

Elas ainda ficaram cerca de 10 minutos abaixadas no chão, até que os disparos cessassem. Depois disso, duas moradoras foram para a rua ajudar nos primeiros socorros. O tiro pegou na parte de trás da perna esquerda da auxiliar, e acabou saindo pela frente. O mesmo projétil ainda atingiu a bicicleta que a amiga dela estava empurrando.

Um morador levou a vítima até um ponto do bairro onde havia uma viatura, que encaminhou a auxiliar até o Hospital Antônio Bezerra de Faria. Ela não precisou passar por cirurgia e já recebeu alta.

“O que eu vivi foi um grande livramento. A dor é terrível, uma queimação, mas em nenhum momento tive medo. Senti um refrigério na hora, dado por Deus. Espero que eles (os atiradores) procurem o caminho do Senhor. Vou orar para que eles sejam transformados”, declarou.

O caso será investigado pela Polícia Civil. Até a publicação desta matéria, ninguém tinha sido preso.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS