X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Mãe teria dirigido com marido e filho mortos no carro antes de ser morta, diz polícia

| 30/01/2020 20:46 h | Atualizado em 30/01/2020, 21:06

A empresária Flaviana Gonçalves, 40 anos, teria sido obrigada a dirigir o carro em que seu corpo foi encontrado carbonizado, junto com os do marido e do filho, dentro do porta-malas, na madrugada de terça-feira (28), em São Bernardo do Campo (ABC), segundo a polícia.

Pouco antes, por volta de 1h15, o porteiro do condomínio onde a família morava, em Santo André, também no ABC paulista, teria visto a empresária saindo com o carro da família, também de acordo com a polícia.
Em entrevista nesta quinta-feira (30), o delegado seccional de São Bernardo, Ronaldo Tossunian, afirmou que o comerciante Romoyuki Gonçalves, 43 anos, e o filho do casal, Juan Gonçalves, 15, teriam sido colocados mortos no veículo dirigido pela mulher.

Flaviana Gonçalves, o filho Juan e o marido Romoyuki
Flaviana Gonçalves, o filho Juan e o marido Romoyuki |  Foto: Acervo pessoal / Instagram

Ana Flávia Menezes Gonçalves, 24 anos, filha do casal, e a namorada dela, Carina Ramos, 26, foram presas na noite desta quarta-feira (29), por suspeita de envolvimento no crime, por determinação da Justiça.
Flaviana teria sido morta da mesma forma, mas não na residência, já que depois que o veículo da família, um Jeep Compass, não voltou mais ao condomínio. Segundo disse o porteiro à polícia, o Fiat Palio de Ana Flávia passou pela portaria instante antes.

O casal e o filho adolescente foram achados carbonizados no carro da família, no limite entre São Bernardo e Santo André, na madrugada de terça. O carro foi queimado.

Segundo a polícia, pai e filho foram mortos com pancadas no lado direito da cabeça, dentro da casa onde moravam no condomínio Morada Verde, em Santo André.

A causa da morte dos três, segundo laudo preliminar do Instituto Médico Legal, foi traumatismo cranioencefálico. Os corpos, de acordo com a polícia, foram identificados pelas arcadas dentárias.
O laudo preliminar do Instituto Médico Legal aponta que, a causa da morte dos três foi traumatismo cranioencefálico. Os corpos, de acordo com a polícia, foram identificados pelas arcadas dentárias.

Conforme mostram as câmeras de monitoramento, o carro de Ana Flávia entra e sai do condomínio três vezes, entre 18 e 22h12, na segunda-feira (27). Neste meio tempo, às 20h09, ainda segundo as imagens, Carina entra a pé no local usando um moletom com capuz. "O fato dela usar essa roupa chama a atenção, pois estava muito quente neste dia", frisou o polícial da seção.

Ana Flávia Menezes Gonçalves, filha do casal, e a namorada dela, Carina Ramos
Ana Flávia Menezes Gonçalves, filha do casal, e a namorada dela, Carina Ramos |  Foto: Acervo pessoal / Instagram

Uma testemunha afirmou à polícia que, antes de Flaviana chegar em casa com o Jeep, às 22h36, um homem de aproximadamenter 1,90 de altura, foi visto com duas suspeitas.
Ainda segundo a polícia, o assassinato de pai e filho ocorreu pouco antes do empresário preparar o jantar. Havia frando ao lado de uma panela com óleo ainda quente", disse o delegado que coordena as investigações, Paul Henry Bozon.

A polícia afirmou que Flaviana teria sido rendida e obrigada a dirigir o carro com os corpos do filho e marido no interior. A investigação agora tenta descobrir se a mulher foi sequestrada antes de chegar em casa ou quando saía do trabalho.

O delegado Bozon acrescentou que foram encontradas marcas de sangue na região dos joelhos e na altura do zíper de uma calça de Ana Flávia, que havia sido lavada. A identificação ocorreu mediante o uso de luminal (substância que indica a presença de sangue que não pode ser visto a olho nu).
"Esse crime foi feito com extrema crueldade e foi premeditado", declarou o delegado.

Contradições

Em depoimento, a polícia disse que as duas suspeitas afirmaram que Juan, Flaviana e Romuyuki teriam sido mortos por um suposto agiota, para quem a família deveria R$ 200 mil. "Elas também afirmaram que houve uma discussão (na noite do crime) entre as suspeitas e a família", acrescentou Bozon.

As duas ainda ressaltaram à polícia que, por conta da discussão, Flaviana teria afirmado que sairia com o marido e o filho, para abastecer o Jeep e viajariam para Minas Gerais. As suspeitas por isso, segundo depoimento, resolveram também sair do imóvel - segundo a polícia, as duas moram juntas em uma favela a cerca de 10 minutos do condomínio.

"Uma testemunha, que está protegida, conta uma história que desmente em tudo o que elas contaram", afirmou o delegado.

Segundo o depoimento da testemunha, após a chegada de Flaviana, o Jeep foi estacionado em frente à casa das vítimas, com o porta-malas para o imóvel. O homem, ainda segundo essa mesma testemunha, ajudou uma das duas suspeitas a colocar grandes emburlhos no porta-malas do Jeep.
Outro ponto de contradição, segundo a polícia, é que em nenhum momento as suspeitas falam sobre o sangue encontrada na casa , além de estar tudo revirado na residência.

A polícia informou que foram levados do local, R$ 8.000 dólares, joias e uma espingarda antiga. Nem a arma, as joias e o dinheiro, foram encontrados. O próximo passo da polícia foi solicitar a quebra do sigilo telefônico de Ana Flávia e Carina.

Perfis
O delegado Bozon afirmou que Ana Flávia e Carina demonstraram comportamentos diferentes durante os depoimentos prestados nesta terça-feira (30), no Setor de Homicídios de São Bernardo do Campo –as duas foram ouvidas novamente na tarde desta quinta-feira (30).
Segundo o policial, Ana Flávia estava muito nervosa. "Houve momentos em que ela não conseguia nem falar", salientou. A filha do casal, inclusive, teria passado mal e vomitado, de acordo com a polícia.
Já Carina, ainda conforme o delegado, "é mais fria" do que a namorada. "Ela se manteve calma enquanto contou sua versão", afirmou o policial.

Outro lado
O advogado Lucas Domingos, que defende Ana Flávia e Carina, afirmou que as duas negam participação e autoria no crime. Questionado sobre contradições nos depoimentos delas, ele disse que quando tiver acesso ao inquérito do caso verificará "quais são".
"Também preciso ter acesso às filmagens e falar melhor com elas para constatar se de fato existem contradições. Tenho que ver o que posso fazer para ajudá-las."
Ele afirmou que foi contratado por uma amiga das suspeitas, que preferiu não identificar.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS