X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Mãe e padrasto de criança agredida e morta por fazer xixi na cama vão a júri popular

| 04/03/2021 15:47 h

Acusados pela morte de Ana Lívia Lopes da Silva, de apenas 3 anos, a mãe e o padrasto da criança vão a júri popular, nesta quinta-feira (4), em Poços de Caldas, Minas Gerais. A menina morreu após ser agredida por ter feito xixi na cama. As informações são do G1.

O caso aconteceu em junho de 2018. A criança chegou a ser socorrida para um hospital da região, mas não resistiu. De acordo com a Polícia Militar, na época, o padrasto, de 27 anos, chegou a confessar que teria cometido as agressões. A mãe, de 19 anos, também foi foi levada para a delegacia acusada de omissão.

O julgamento, que está acontecendo em um centro de eventos por conta da pandemia da Covid-19, teve início na manhã desta quinta (4), mas não tem previsão para terminar. 

Ao G1, a promotora Luz Maria Ronamelli de Castro contou que o casal está sendo acusado de homicídio quadruplamente qualificado por: tortura e meio cruel, recurso que dificultou a defesa da vítima, feminicídio e motivo fútil.

"O réu está sendo acusado pela ação, ele que efetivamente agrediu a criança. A mãe por omissão, porque ela tem o dever legar de cuidar e poderia ter socorrido a criança ou tentado impedir a agressão, que causou a morte. Eles não prestaram nenhum socorro para a criança", disse a promotora ao jornal.

Ainda segundo o G1, a defesa do padrasto está sendo feita por um defensor público enquanto um grupo de advogados é responsável pela mãe da menina. 

"A Defensoria Pública tem o papel de garantidora de direitos. Em momento algum ela vem exercer uma defesa da impunidade. A defesa vai ser feita com base naquilo que constam nos autos e vamos buscar os direitos que todos os cidadãos tem, um julgamento justo", afirmou o defensor Adhemar Della Torre Netto ao G1.

Já a advogada da ré, Karla Felisberto dos Reis, afirmou que o crime é bárbaro e de grande comoção, mas que os advogados estão ali para defender o direito. "Em nenhum momento a gente está aqui compactuando, concordando ou vindo buscar inocência e pregando a impunidade".

Relembre o caso

Ana Lívia Lopes da Silva, de 3 anos, morreu no dia 15 de junho de 2018, no hospital Santa Casa de Poços de Caldas. O homem, acusado de cometer a agressão, tem 27 anos e teria confessado às autoridades. De acordo com a polícia, na época, a mãe, de 19 anos, também foi levada à delegacia acusada de omissão.

Ao G1, a Polícia Militar afirmou, em 2018, que as agressões teriam começado no dia 14 porque a menina teria urinado na roupa e na cama. Depois disso, ela foi colocada de castigo e, quando saiu do local, foi agredida novamente, resultando em um sangramento no nariz.

Ainda na noite do dia 14, a criança teria sido vítima de agressão mais uma vez. Já no dia 15 ela começou a apresentar sinais de convulsão e, só aí, foi levada a um hospital por familiares, que moram perto do casal. 

Na época, foi relatado que Ana Lívia estava desacordada, respirando com dificuldade, inchaço e sinais de agressão pelo corpo. Por conta da gravidade dos ferimentos, ela foi transferida para a Santa Casa, onde morreu.

O homem foi preso em casa. No dia 20 de julho de 2018, ele a mãe da menina foram transferidos para um presídio no Centro-Oeste do estado mineiro.

De acordo com o G1, os dois já tinham sido denunciados por maus-tratos por funcionários da creche onde Ana Lívia estudava, no dia 22 de maio de 2018.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS