X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Jovem pula do 2º andar de casa e se esconde em mata para não ser morta pelo marido

| 17/06/2020 13:03 h | Atualizado em 17/06/2020, 13:21

Uma jovem de 25 anos pulou do segundo andar de sua casa e ficou mais de 6 horas escondida em uma mata para fugir das agressões e ameaças de morte do marido.

O terror foi vivido por uma dona de casa, moradora do bairro Oriente, em Cariacica, na frente dos três filhos: uma menina de 10 anos, um menino de 8 anos e de uma bebê de apenas 26 dias. O acusado tem 32 anos e até foi abordado pela polícia, mas fugiu correndo e até agora não foi preso.

O caso começou no domingo (14), em Oriente. A vítima contou que estava almoçando com o marido e a mãe dela em casa.
“Quando minha mãe foi embora, a gente começou a discutir porque ele disse que eu estava conversando com homens em um aplicativo de mensagem, sendo que eu nem tenho. Eram umas 17h. Depois parou porque recebi a visita de uma prima e o marido dela, e meu marido saiu para comprar bebida”, contou ela.

Assim que o acusado voltou da rua, as ameaças continuaram. “Ele falou que se eu fosse embora ia cortar meu pescoço, matar toda a minha família e tocar em quem eu mais amo, que são meus filhos”, lembrou a dona de casa.

As ameaças passaram para as agressões físicas: “Ele foi me empurrando e me batendo. Bateu também nas crianças. Tentei fugir pela porta, mas ele trancou as duas”.

Desesperada, a dona de casa pensou uma forma de escapar e implorou ao marido para ir banheiro. “Ele teve que abrir uma porta e tentei pular da varanda, mas não deu certo porque ele me puxou eu caí. Ele foi meu arrastando para a cozinha e, quando consegui me soltar, pulei do segundo andar”, relatou.

Com a queda, a jovem acabou desmaindo, mas logo recobrou a consciência e viu o marido, do alto da casa, olhando para ela. A reação foi sair correndo e pedir ajuda a alguns vizinhos. No entanto, muitos não quiseram socorrer a dona de casa, alegando que estavam com medo do acusado ir atrás deles depois.

“Só um vizinho me ajudou. Ele disse que eu podia entrar, mas ficar escondida na mata que fica atrás da casa dele. Fiquei na mata a noite toda. Cochilei e quando deu 5h40 de segunda-feira (15) saí dali e fui andando para o Pronto-Atendimento de Alto Lage porque me machuquei”, disse.

Jovem de 25 anos, com filha de 26 dias no colo, relata os momentos de desespero que viveu
Jovem de 25 anos, com filha de 26 dias no colo, relata os momentos de desespero que viveu |  Foto: Júlia Afonso

Agressões às crianças

A jovem, com diversas lesões pelo corpo, foi em seguida para a casa da mãe, em Itanguá, e estava em pânico por causa dos filhos, que estavam com o marido. Apenas a bebê é do relacionamento do casal.

“Eu liguei para ele querendo falar com as criancas, mas ele não deixava. Só consegui falar com as crianças ontem (16), mas como ele se negou a me devolver as crianças, liguei para a Polícia Militar. Os policiais foram comigo lá na casa”, detalhou.

Logo que os PMs chegaram à residência, em Oriente, as crianças disseram que o acusado maltratou as três, inclusive puxando a perna da neném e ameaçando os dois mais velhos.

A vítima contou que a polícia avisou ao acusado que ele teria que ir para a delegacia e o agressor concordou, só que na hora de ir para a viatura, o homem saiu correndo.

“Os policiais até conversaram com ele em casa, mas na hora que descemos para ir para a delegacia, meu marido saiu correndo. A PM até tentou ir atrás, mas ele fugiu”, disse.

Pedradas

Com medo de ficar em casa sozinha com as crianças, a jovem resolveu ir para a residência da mãe, mas para sua surpresa o acusado foi até o local e passou a fazer intimidações, como jogar pedras na casa.

“Estamos juntos há um ano e ele já me agrediu várias vezes. Agora eu quero justiça. Acontecem vários fatos desse, de agressão à mulher, e fica na mesma. Mas quero justiça!”, declarou.

O acusado, segundo a vítima, já foi preso em novembro do ano passado por agressão e ficou detido por quase três meses. O caso vai ser investigado pela Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam) de Cariacica. Segundo a Polícia Civil, informou na manhã desta quarta-feira, o acusado não foi detido até o momento.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS