X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Jovem é morta a facadas dois dias após pedir medida protetiva contra o ex

A investigação segue em andamento pelo Núcleo Especializado de Feminicídio

Agência Folhapress | 06/08/2022 18:07 h

Um tatuador foi preso em flagrante num motel, nesta sexta-feira (5), sob a suspeita de ter matado a facadas a ex-namorada Emily Luíza Ferretti Fernandes, 25, na casa da jovem na região do Barreiro, em Belo Horizonte, no dia anterior.

Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, Thales Thomás do Vale, 29, foi indiciado por homicídio qualificado por feminicídio, motivo fútil, meio cruel e sem chance de defesa da vítima. Também foi autuado pela tentativa de homicídio do irmão dela.

Questionado pela imprensa se estava arrependido enquanto era direcionado a uma viatura da Polícia Militar, ele respondeu "tô" e em seguida afirmou que "foi covarde". A investigação segue em andamento pelo Núcleo Especializado de Feminicídio.

Testemunhas contaram à polícia que Emily Luíza estava em casa com a mãe e o irmão de 16 anos, na última quinta (4), quando Thales entrou pelo portão, que estava destrancado, para pedir desculpas à ex-namorada. Ela não aceitou e foi atacada por ele.

O adolescente tentou pegar um pedaço de pau para defender a irmã, mas, quando voltou, viu que o tatuador estava desferindo golpes de faca contra a jovem. Ela foi levada por policiais militares ao hospital Júlia Kubitschek, mas não resistiu aos ferimentos. O irmão também foi atingido e precisou de atendimento.

Emily Luíza já havia procurado a Polícia Civil duas vezes para prestar queixa e pedir medida protetiva contra o ex-namorado, uma delas dois dias antes de morrer.

A corporação confirmou que a solicitação foi encaminhada à Justiça. O Tribunal de Justiça, por sua vez, afirmou que não localizou registros com os nomes dos envolvidos e que os processos de feminicídio correm sob sigilo e, por isso, podem estar ocultos no sistema.

A primeira denúncia foi feita em 30 de junho, quando a jovem procurou a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher para denunciar o ex sobre a publicação de fotos íntimas e ameaças. "Na oportunidade também foi solicitada medida protetiva de urgência", diz o órgão.

Ele teria criado um perfil fake no Instagram, adicionado os familiares da jovem e encaminhado as imagens, segundo o site G1. Já na última terça (2), diz o portal, Emily voltou à delegacia para dizer que Thales jogou um telefone e um celular contra ela após uma briga motivada por ciúmes.

Quando ela se levantou para ir embora, ele a puxou pelo pescoço e pelo braço e a jogou na cama. Depois, os avós do tatuador tentaram cessar a briga e a levaram até o portão, mas ele ainda a jogou no chão e lhe arrastou tentando puxar seu relógio, conforme a ocorrência.

A Lei Maria da Penha estabelece que, após o registro por violência doméstica, o caso deve ser remetido ao juiz em, no máximo, 48 horas. A Justiça terá outras 48 horas para analisar e julgar a concessão das medidas protetivas de urgência, se for o caso.

Thales morava nos Estados Unidos e estava de passagem pelo Brasil. Familiares e amigos contaram ao jornal Estado de Minas que o relacionamento começou pela internet e durou alguns meses, mas o tatuador se mostrou possessivo e abusivo e ela decidiu terminar, então começaram as ameaças.

ONDE POSSO DENUNCIAR CASOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER?

POLÍCIA

- Disque 190;

- Procure uma Delegacia Especializada da Mulher (DDM) próxima de sua casa, ou Delegacia de Polícia fora do horário comercial;

CENTRAL DE ATENDIMENTO À MULHER - LEI MARIA DA PENHA

- Disque 180;

- Mande email para: [email protected];

- O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros;

- A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher;

DISQUE DIREITOS HUMANOS

- Disque 100;

- Atende situações graves de violação de direitos humanos, como os de violência contra a mulher, e aciona os órgãos competentes, possibilitando o flagrante;

CAMPANHA SINAL VERMELHO

- CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) lançaram, em junho de 2020, a campanha Sinal Vermelho contra a violência doméstica. A ideia central é que a mulher consiga pedir ajuda em farmácias, órgãos públicos e agências bancárias com um sinal vermelho desenhado na palma da mão;

- Mais informações: [email protected]

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS