X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Filha e namorada autorizaram morte de família no ABC, diz suspeito

| 04/02/2020 16:53 h | Atualizado em 04/02/2020, 20:23

Ana Flávia Menezes Gonçalves, filha do casal, e a namorada dela, Carina Ramos
Ana Flávia Menezes Gonçalves, filha do casal, e a namorada dela, Carina Ramos |  Foto: Divulgação

O homem preso acusado de envolvimento na morte de uma família encontrada carbonizada no carro das vítimas, no último dia 28 em São Bernardo do Campo (ABC), disse em depoimento que a filha do casal, Ana Flávia Menezes Gonçalves, 24 anos, e sua namorada, Carina Ramos, 26 anos, autorizaram a morte de Romuyuki Gonçalves, 43 anos, seu filho Juan, 15, e a mulher Flaviana, 40.

O suspeito, que é primo de Carina, contou que ela e Ana Flávia revelaram que havia R$ 85 mil em um cofre na casa da família, no condomínio Morada Verde, em Santo André (ABC). A partir disso, as duas e o suspeito combinaram de assaltar a residência na noite do dia 27.

Para simular o assalto, três homens, incluindo o suspeito preso, chegaram à casa da família no mesmo momento que Carina e Ana Flávia, em uma Fiat Palio. Dentro do imóvel, anunciaram o assalto.

Ainda de acordo com o depoimento, os criminosos colocaram um saco na cabeça do adolescente e o espancaram para que o pai informasse a senha do cofre.

No entanto, Romuyuki não sabia a combinação e, por isso, ainda de acordo com o depoimento, aguardaram a chegada de Flaviana.

Após ser rendida, a empresária abriu o cofre, que, segundo relatado pelo suspeito, estava vazio. Por conta disso, resolveram matar a família.

Ana Flávia teria indicado que o irmão fosse morto primeiro, por conta da herança que deixaria para ela. O pai foi morto em seguida. Ambos teriam sido asfixiados, segundo o relatado pelo suspeito, contrariando laudo do IML que afirma que as vítimas foram mortas com pancadas na cabeça.

Enquanto pai e filho eram mortos, Flaviana foi mantida amarrada e vendada, ainda de acordo com o depoimento do suspeito.

Após isso, os dois corpos foram colocados no porta-malas do Jeep Compass das vítimas. O veículo saiu do condomínio, seguido pelo Fiat Palio de Ana Flávia e Carina. Flaviana estava no Jeep. O suspeito não informou quem dirigia o veículo.

Eles foram até um posto de gasolina perto da casa das suspeitas, em Santo André (ABC). No local, de acordo com o primo de Carina, foi comprada gasolina, usada para incendiar os corpos.

Após comprar o combustível, os cinco suspeitos e Flaviana foram até a estrada do Montanhão. Segundo o primo de Carina, ela teria matada Flaviana no local. Logo depois os corpos foram incendiados.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS