Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Corpo encontrado em Jacaraípe é de motorista de aplicativo, confirma família

| 08/06/2020 20:44 h | Atualizado em 08/06/2020, 20:53

O corpo do motorista de aplicativo Anderson Luiz Lira, de 31 anos, foi encontrado enterrado no final da areia da praia de Jacaraípe, Serra, na tarde desta segunda-feira (8). Os familiares estiveram no local e reconheceram o corpo através das tatuagens e da roupa que a vítima vestia no dia que desapareceu.

De acordo com a Polícia Militar, um homem ligou para o Ciodes dizendo que havia sido agredido com um soco no rosto e que o agressor teria, anteriormente, cometido um homicídio e realizado o enterro do corpo na praia.

Ainda segundo a PM, militares foram ao local e providenciaram uma retroescavadeira que desenterrou o corpo.

Anderson Luiz Lira tinha 31 anos de idade.
Anderson Luiz Lira tinha 31 anos de idade. |  Foto: Acervo Pessoal

O motorista estava desaparecido desde a última quarta-feira, depois de pegar uma corrida. O namorado da vítima, que não quis se identificar, de 23 anos, contou que ele saiu de Nova Almeida, no mesmo município, por volta das 17 horas, e uma hora depois depois ninguém conseguiu fazer contato com ele.

"Ele não tinha costume de pegar corridas a noite, mas neste dia específico, ele aceitou. Minha mãe estava na cozinha quando Anderson passou e avisou que estava saindo, nos deu tchau e foi a última vez que vimos ele vivo", contou o irmão da vítima, 25.

O carro do motorista chegou a ser encontrado carbonizado na noite de sexta-feira às margens da lagoa Juara, em Jacaraípe.

A polícia chegou até o carro, após uma testemunha ver o veículo em chamas. O irmão e amigos de Anderson, circularam no local em busca de alguma pista, mas não encontraram. O carro foi levado para a Delegacia Regional da Serra para ser periciado.

O corpo de Anderson foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser identificado e para ser feito o exame cadavérico, que apontará a causa da morte.

No local, familiares informaram que não puderam fazer a liberação do corpo, pois o mesmo estava em avançado estado de decomposição e precisarão esperar três dias, para que a identificação seja confirmada por digitais.

"Nós sabemos que é ele. Reconhecemos as tatuagens e a roupa. Teremos que esperar mais para podermos nos despedir. É adiar ainda mais nosso sofrimento", disse o irmão.

De acordo com ele, Anderson nunca se envolveu com nada errado e trabalhava há quase um ano como motorista de aplicativo.

"Meu irmão era bom com todos. Eu e ele éramos muito unidos, nós compartilhávamos tudo um com outro. Agora estou sem ele. Não sei como vai ser daqui pra frente".

A Polícia Civil informou que o desaparecimento do motorista continua sob investigação. Outras informações não serão repassadas para que a apuração dos fatos seja preservada.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS