X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Cocaína adulterada que matou 24 na Argentina tinha anestésico de elefante, diz jornal

Agência Folhapress | 10/02/2022 21:45 h

A polícia da Argentina acredita que a substância que adulterou a cocaína que deixou ao menos 24 mortos na última semana na região metropolitana de Buenos Aires seja o carfentanil. O opioide, geralmente usado para anestesiar elefantes, foi detectado na perícia feita em amostras apreendidas nas comunidades de onde a investigação aponta ter saído a droga adulterada

O resultado da análise foi divulgado nesta quinta-feira (10) pelo jornal Clarín, que teve acesso ao relatório da Procuradoria de Munro, na província de Buenos Aires, e do laboratório da Polícia Científica da capital.

Até aqui, as autoridades e especialistas ouvidos pela imprensa tinham como principal hipótese para a contaminação o fentanil -também um opioide.

"Os resultados dos dois estudos periciais independentes [...] chegaram à conclusão de que a substância encontrada em diversas amostras é carfentanil, opioide extremamente forte, cujos efeitos são 10 mil vezes mais fortes, ou ainda mais, que a heroína ou o fentanil", disse a Procuradoria.

O DEA, órgão de controle de drogas ilegais dos Estados Unidos, confirma que a substância pode ser 10 mil vezes mais poderosa que a morfina, mas diz que na comparação com o fentanil ela é 100 vezes mais potente.

O resultado da perícia leva o caso a outro patamar, pelo poder devastador do que foi apreendido. Em setembro, por exemplo, quando a polícia da Califórnia (EUA) apreendeu 21 quilos da substância, as autoridades disseram que, se misturada a outras drogas, a quantidade do opioide seria suficiente para matar até 50 milhões de pessoas.

Segundo o DEA, o carfentanil é tão perigoso que apenas agentes treinados devem manuseá-lo. Quem tem contato com a substância por poucos minutos pode ter dificuldades de respiração, sentir tontura, desorientação e sonolência, entre outros sintomas.

Em Buenos Aires, parte dos ao menos 24 mortos e dezenas de internados na semana passada após o consumo da cocaína adulterada apresentaram problemas para respirar e ficar de pé e tiveram convulsões, segundo relatos de familiares.

Os envelopes com o conteúdo rosado foram vendidos a 200 pesos (R$ 10) na localidade de casas simples e inacabadas de Puerto 8, segundo a polícia local -que fez uma operação na comunidade. Os investigadores acreditam que a adulteração tenha sido feita de forma intencional, dentro de um contexto de conflitos entre grupos de traficantes.

As mortes e hospitalizações foram registradas em sua maioria nas cidades de Hurlingham, Tres de Febrero, San Martín e Ituzaingó, na região metropolitana da capital. A maioria dos casos envolve homens entre 31 e 45 anos.

A promotoria de Buenos Aires chegou a pedir a consumidores que compraram cocaína no local descartassem a droga. O governo municipal de Tres de Febrero fez recomendação parecida, alertando para "possíveis sintomas como confusão, convulsões e perda de consciência".

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS