X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Bandidos já atacaram 4.440 lojas este ano

| 22/10/2020 15:53 h | Atualizado em 22/10/2020, 16:05

Furtos, roubos e arrombamentos estão tirando a paz de comerciantes e lojistas no Espírito Santo. De janeiro a setembro deste ano, pelo menos 4.440 vítimas tiveram seus estabelecimentos invadidos por criminosos que furtaram ou assaltaram as lojas, segundo dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp). O número equivale a quase 17 casos por dia.

Delegado Rodrigo Rosa  disse que arrombamentos são cometidos, na maioria das vezes, por viciados em drogas que vivem nas ruas
Delegado Rodrigo Rosa disse que arrombamentos são cometidos, na maioria das vezes, por viciados em drogas que vivem nas ruas |  Foto: Antonio Moreira - 03/05/2019

Na maioria dos furtos e arrombamentos, os bandidos agem em momentos em que os proprietários não estão no local. Somente na Grande Vitória, para os casos de furtos, 2.049 lojistas foram vítimas de criminosos.

“Esses tipos de crime são cometidos, na maioria das vezes, por viciados em drogas, que vivem pelas ruas, aguardando a madrugada para cometer os arrombamentos e os furtos. Arrombam paredes, portas de vidro, etc”, explicou o titular das delegacias de polícia de Jacaraípe e Novo Horizonte, delegado Rodrigo Henrique da Rosa.

Já nos casos de roubo, no Estado, nos sete primeiros meses do ano, 1.111 donos de lojas foram vítimas. Para este crime, os bandidos costumam agir em grupos.

“Em Vila Velha, percebemos que os bandidos nunca agem sozinhos. Nessa situação, eles não vão se importar com o horário para cometer o crime e sim a oportunidade”, explicou o subsecretário da Guarda Municipal de Vila Velha, Iuri Silva.

Em Vitória, na noite da última terça-feira, um bandido se aproveitou de um momento de distração dos funcionários para roubar uma farmácia, no Centro. “Até clientes que estavam no local, foram roubados”, desabafou uma funcionária, que não quis se identificar.

Na Prainha, em Vila Velha, os arrombamentos e furtos são constantes. “Eles entram nos lugares e furtam tudo. Há uma semana, eu vi um bandido levando um ar-condicionado nas costas que ele tinha acabado de furtar em uma academia”, relata uma comerciante de 55 anos, que não quis se identificar.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Alexandre Ramalho, disse que o trabalho de combate a crimes contra comércios é intenso.

“Nossa média é de 50% de redução em roubos e furtos gerais e temos essa análise constante dentro da metodologia do programa Estado Presente. Lógico que, cada comércio que é alvo dessa criminalidade, nós lamentamos, pois não vamos conseguir evitar todos”.

Prejuízos de R$ 10 mil

Além dos danos psicológicos, o dono de uma loja de celular, localizada em Soteco, Vila Velha, também teve prejuízos financeiros. Ele perdeu mais de R$ 10 mil em produtos, após ter sua loja invadida por bandidos na noite da última terça-feira.

Celulares de clientes em conserto
Celulares de clientes em conserto |  Foto: Divulgação
“Além de ameaçar minhas funcionárias com uma arma, os bandidos levaram todos os celulares novos, objetos pessoais nosso e só deixaram para trás alguns telefones de clientes que estavam aqui para serem consertados”, disse a vítima, de 32 anos, que pediu para não ter a identidade revelada.

Os três bandidos chegaram ao local de carro (o modelo não foi informado). Um teria ficado do lado de fora e os outros dois entraram e abordaram as vítimas. Logo após roubarem os celulares, os criminosos entraram no carro e fugiram. Até o momento, a polícia não prendeu nenhum suspeito.

Para o dono do estabelecimento, o que fica, além do trauma e prejuízo financeiro, é a tristeza.

“Eu era vendedor ambulante e, como sonhava em abrir minha loja, lutei cinco anos para juntar dinheiro. Quando abro, vêm três pessoas e me tiram tudo. Sensação de impotência”.

Pandemia
Para especialistas, a alta nos casos de furtos e roubos a lojistas pode estar relacionada ao período de pandemia, quando reduziu o número de pessoas que circulavam nas ruas.

“Com a ausência das pessoas, os bandidos começaram a mirar nos comércios”, afirma o consultor em segurança Pública Emir Pinho.


OS NÚMEROS


Crimes

Furtos
> De janeiro a setembro de 2020: 3.329 casos registrados no Estado.
>  No ano de 2019: 4.541 casos registrados em todo o Estado.
>  Grande Vitória em 2020: 2.049
>  Grande Vitória em 2019: 2.958

Roubos
>  De janeiro a setembro de 2020: 1.111 casos registrados no Estado.
>  No ano de 2019: 1.571 casos registrados em todo o Estado.
>  Grande Vitória em 2020: 750
>  Grande Vitória em 2019: 1.021

Dicas de prevenção
> Procure equipar os estabelecimentos com dispositivos de segurança, como alarmes sonoros e câmeras.
> Evite de deixar à mostra o interior da loja, os produtos que são vendidos, pois são atrativos para os bandidos.
> Caso ocorra o crime, colabore com a polícia e passe as imagens.
> Registre boletim de ocorrência.

Fonte: Sesp e especialistas ouvidos.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS