X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Assessor parlamentar é preso suspeito de participação na morte de ativista político

| 12/08/2021 16:11 h | Atualizado em 12/08/2021, 16:46

Ativista e ex-candidato a vereador é morto a tiros no Estado
Ativista e ex-candidato a vereador é morto a tiros no Estado |  Foto: Divulgação

Mais um suspeito de participação na morte do ativista político e ex-candidato a vereador, Jonas da Silva Soprani, foi preso pela Polícia Civil. Um assessor parlamentar, de 48 anos, foi detido na manhã desta quinta-feira (12), em Linhares, no Norte do Estado. 

De acordo com a polícia, o assessor é investigado por intermediar a morte do ativista político, que ocorreu no dia 23 de junho, em um bar no bairro Novo Horizonte, em Linhares.

A prisão foi realizada em cumprimento de mandado de prisão e busca e apreensão por policiais civis da 16° Delegacia Regional de Linhares, no bairro Shell, também no município.

Segundo o chefe da 16° Delegacia Regional de Linhares, delegado Fabrício Lucindo, o assessor parlamentar da Câmara Municipal de Linhares, estava com mandado de prisão temporária em aberto, por envolvimento no crime.

"O suspeito trabalhava como assessor parlamentar do vereador apontado como mandante do crime, que foi preso no dia 29 de julho, em um hotel, em Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais. Ele é investigado por intermediar o crime", disse.

O delegado lembrou que um dos atiradores foi morto durante uma troca de tiros com policiais militares, no último dia 03, no bairro Shell, em Linhares. Dois irmãos gêmeos foram presos no dia 20 de julho, no bairro Vila Prudêncio, em Cariacica. Um dos irmãos foi solto pela Justiça.

Ele foi interrogado, agora na Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Linhares e, após o interrogatório, foi encaminhado ao Presídio Regional de Linhares (PRL), permanecendo à disposição da Justiça e da autoridade policial que investiga o caso.

"Ele já foi preso anteriormente pela prática de homicídio qualificado no ano de 2017, ficou dois anos e quatro meses preso e recebeu alvará no ano de 2019”, contou o delegado.
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS